Judia com xale é detida em local sagrado de Jerusalém

Estudante rezava no Muro das Lamentações junto com outras 40 mulheres; polícia a reteve por duas horas

Reuters,

19 Novembro 2009 | 17h14

Uma israelense foi detida na última quarta-feira, 18, no local mais sagrado do Judaísmo por usar um xale de oração que, segundo os religiosos ortodoxos, só poderia ser envergado por homens. O incidente no Muro das Lamentações mostra as profundas divisões entre vertentes mais liberais do Judaísmo e os poderosos ortodoxos, a maioria dos quais rejeita qualquer papel ativo nas orações para as mulheres.

 

A estudante de Medicina Nofrat Frankel, de 25 anos, foi detida quando rezava no local junto com 40 outras mulheres. Após um protesto de judeus ortodoxos que a viram com o xale ("tallith", em hebraico), a polícia a retirou do local e a manteve detida por duas horas, para então determinar que ela fique longe do Muro das Lamentações durante pelo menos 15 dias, segundo uma porta-voz.

 

Micky Rosenfeld, porta-voz da polícia, disse que a estudante supostamente violou uma decisão da Justiça israelense que, seguindo os preceitos ortodoxos, proíbe que as mulheres usem trajes religiosos no local sagrado. "As tensões explodiram, houve empurrões e gritos e a polícia interveio para evitar a violência", disse Rosenfeld, acrescentando que não houve feridos e ninguém mais foi preso.

 

Frankel pode ser condenada a até seis meses de prisão e multa de 10 mil shekels (2.000 dólares) por realizar um gesto religioso ofensivo, segundo Anat Hoffman, diretora de um grupo que patrocina as "Mulheres do Muro".

 

A acusada também segurava uma Torá, pergaminho bíblico judaico, contrariando a tradição ortodoxa, mas a polícia não citou isso como razão para detê-la.

 

O grupo de Hoffman defende uma maior abertura à participação das mulheres nas orações no Muro das Lamentações, e nas últimas duas décadas teve frequentes atritos com os ortodoxos. Ela disse que esta é a primeira vez que uma das suas seguidoras é presa.

 

"Isso é ridículo. Se não posso vestir um traje religioso no Muro das Lamentações, onde posso?", disse ela à Reuters.

 

O rabino Shmuel Rabinovich, responsável pelo local, afirmou à Rádio Israel que a presença do grupo de Hoffman no Muro é uma "dessacralização".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.