Juiz condena pescador e repórter que perseguiam baleia

A Justiça condenou um repórter, um cinegrafista e um pescador a prestarem serviços em prol do meio ambiente. Os ministros do Superior Tribunal de Justiça (STJ) negaram pedido de habeas-corpus dopescador e da dupla que trabalhava no extinto programa de televisão Aqui Agora, doSBT.Durante uma reportagem no litoral de Santa Catarina, eles teriam perseguido umabaleia franca e seu filhote. Conforme o STJ, o barco teria batido nos animais. Assustados, eles teriam quase encalhado ao tentar fugir da perseguição.O repórter Roberto Luiz Salum, o cinegrafista João Batista Rosa Oliveira e o pescadore proprietário do barco, Nilo da Silva, foram acusados pelo STJ de desrespeitar a Lei7.643 que proíbe a pesca ou ?qualquer outra forma de molestamento dos cetáceos?(mamíferos adaptados à vida aquática) nas águas brasileiras.Na primeira instância, os três foram condenados a seis anos e seis meses de reclusão.Mas a pena foi substituída pelo pagamento de R$ 5 mil e prestação de serviços ementidade pública dedicada à proteção do meio ambiente.No Tribunal Regional Federal (TRF) da 4ª Região, o valor da pena pecuniária foi reduzido para R$ 1 mil. O STJ manteve essa decisão. Em seu voto, o relator do recurso no STJ, ministro Gilson Dipp,citou trechos da reportagem: ?Estamos em cima de novo, passamos pela segunda vez em cima dela?.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.