Ailton Cruz/AE
Ailton Cruz/AE

Julgamento de padres acusados de pedofilia é retomado em Alagoas

Luiz Marques Barbosa, Raimundo Gomes e Edilson Duarte são acusados pelo abuso de três coroinhas

Ricardo Rodrigues,

22 Julho 2011 | 12h15

ARAPIRACA - O julgamento do três padres acusados de pedofilia foi retomado na manhã desta sexta-feira, 22, no fórum do juizado da infância e juventude de Arapiraca há 150 km de Maceió.

O julgamento é presidido pelo juiz João Luiz de Azevedo Lessa e acompanhado pelo promotor de justiça Alberto Tenório Vieira, além de dois representantes da Santa Sé.

Os padres Luís Marques Barbosa, Raimundo Gomes e Edilson Duarte podem pegar penas de quatro a 10 anos de prisão, se condenados por pedofilia, conforme explicou o promotor do caso. Os religiosos são acusados de abusar sexualmente de três coroinhas da igreja católica que trabalhavam com os sacerdotes quando eram menores de idade.

Ouvidos pelos juiz, os três coroinhas reafirmaram as denúncias e esperam que os religiosos paguem pelo crime que cometerem. O magistrado que preside a audiência de instrução disse que o julgamento não tem hora para terminar e que pode ser suspenso hoje e retomado na próximas semana.

"Tudo vai depender da oitiva das testemunhas, das alegações finais e dos pedidos de diligências que poderão acontecer, exigindo com isso um tempo maior para da divulgação da sentença do caso", afirmou o promotor João Luiz de Azevedo Lessa.

A primeira testemunha a ser ouvida nesta sexta-feira foi um caminhoneiro, João Ferreira, que trabalhou por dois anos como motorista do padre Luís Marques Barbosa. Segundo o caminhoneiro, na casa paroquial o padre tratava os coroinhas com carinho, mas não observou nada que denotasse abuso sexual.

"Só depois que eu vi o vídeo com as imagens do ato sexual foi que tive certeza do envolvimento do padre com o coroinha", afirmou o caminhoneiro. "Contra fatos, não há argumentos", acrescentou o motorista. Depois das testemunhas de acusação, começaram a ser ouvidas as testemunhas de defesa dos três religiosos.

Vaticano

O representante da Santa Sé Daniel Nascimento disse que foi designado pelo arcebispo de Penedo, Dom Valério Breda, para acompanhar o julgamento com outro representante da Santa Sé. Segundo ele, o resultado desse processo deverá ser enviado para o Vaticano, para onde já seguiu um relatório preliminar a respeito da conduta dos padres acusados.

O caso

O caso veio à tona no início do ano passado, quando o Programa SBT Repórter apresentou a denúncia de abuso sexual dos padres contra os coroinhas. O programa apresentou o vídeo de um dos sacerdotes com um coroinha.

O vídeo foi uma forma que eles encontraram para denunciar o que estava acontecendo com eles. No entanto, os religiosos se defendem dizendo que foram vítimas de tentativa de extorsão. Segundo os padres, os coroinhas fizeram o vídeo quando já eram maiores de idade com o objetivo de ganhar com a denúncia.

Acompanhamento

O julgamento é acompanhado por policiais do Batalhão de Operações Especiais (Bope) e de ambulância do Serviço de Atendimento Médico de Urgência (Samu), já que os padres são de idade avançada. No último julgamento um deles, Luís Barbosa, de 83 anos, passou mal, mas foi medicado e participou do julgamento até o final.

Mais conteúdo sobre:
pedofiliaabuso sexual

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.