Justiça suspende mais uma audiência pública do Rodoanel

A audiência pública para a discussão dos impactos ambientais nos traçados dos trechos Sul, Leste e Norte do Rodoanel Mário Covas realizada ontem, em Mairiporã, foi suspensa por decisão judicial. O motivo foi a localização da reunião, em um clube de campo, considerado de difícil acesso à população. Esta foi a terceira reunião cancelada por ação de ambientalistas e da Procuradoria da República de São Paulo.A audiência no município de Embu, a primeira a ser suspensa, foi remarcada pela Dersa Desenvolvimento Rodoviário S/A, responsável pelo Rodoanel, para o dia 10 de março. Além desta, a reunião realizada em São Paulo, no último dia 20, também foi invalidada pela Justiça, que considerou o local inadequado por não comportar o número de interessados em participar.Segundo Carlos Bocuhy, da Campanha Billings Te Quero Viva, as audiências foram suspensas por conterem irregularidades, ?caso contrário a Justiça não teria dado as liminares?. O ambientalista diz que os pedidos de suspensão são resultado de um movimento articulado de mais de 60 organizações não-governametais da Região Metropolitana de São Paulo (RMSP).?Acreditamos que antes de se falar em Rodoanel é preciso discutir uma política de Estado que leve em consideração a capacidade de suporte ambiental da RMPS e, aí sim, um sistema de transporte adequado. O projeto em análise passa pela área de produção de água da metrópole e tem um grande potencial de indução de ocupação?, diz.As próximas audiências públicas estão marcadas para os dias 27 de fevereiro, no Centro de Convenções "Open Hall", em Guarulhos; 6 de março, no Centro Cultural Izaura Neves, em Caieiras, e 10 de março, na Câmara Municipal do Embu.

Agencia Estado,

25 de fevereiro de 2003 | 16h50

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.