Laser acelera regeneração de lesão óssea

Pesquisadores da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp)descobriram que a utilização de laser acelera o processo de regeneraçãode células ósseas. A pesquisa foi apresentada no Congresso de Laser eMedicina de Florença, na Itália, em outubro, e obteve a premiaçãomáxima, concorrendo com pelo menos outros 100 trabalhos. A regeneração foi observada em testes feitos com ratos e reduziu otempo do tratamento para a metade, em média. O físico, professor epesquisador da Unicamp, Vitor Baranauskas, que coordenou o projeto,disse que a descoberta é o primeiro passo para o desenvolvimento depesquisas específicas sobre regeneração óssea. O estudo é resultado da tese de doutorado da professora de fisioterapia Ivânia Garavello, com a cooperação do aluno Zhao Jing Guo, pós-graduando da Faculdade de Engenharia Elétrica e de Computação(FEEC) da Unicamp, orientados por Baranauskas e Maria Alice da CruzHofling, do Instituto de Biologia da universidade.As pesquisas foram iniciadas há quatro anos. Este ano os testes foramfeitos com 32 animais, divididos em quatro grupos. Os ratos tiveram atíbia perfurada por broca, de 1 e 1,5 milímetro de diâmetro. Um dosgrupos não recebeu aplicação de laser, os outros três receberam por 7,14 e 21 dias, respectivamente, com intensidades variadas. Todos osbichos tratados com laser tiveram a restauração óssea acelerada. Os pesquisadores verificaram que a intensidade ideal da aplicação paraas lesões provocadas foi de 31,5 joules, durante cinco minutos por dia.Os ratos que receberam esse tratamento tiveram o osso recuperado entre7 e 14 dias. Nos animais sem aplicação, a restauração demorou 21 dias.Baranauskas explicou que cada joule equivale a um watt por segundo deenergia concentrada em um centímetro quadrado. O processo foi acompanhado por meio de um microscópio eletrônico com capacidade de ampliação de até um milhão de vezes. Maria Alice contou que o laser acelerou a formação primária do osso, ?como se fossem galhos no meio dos quais ficam os vasos sangüíneos?, e também a estrutura secundária, ou osso maduro, quando ele ?fica compacto?. Ivânia disse ter ficado impressionada com a rapidez de formação dosvasos sangüíneos que irrigam os ossos. ?Não aumentou a irrigação, mas a quantidade de vasos cresceu muito?, comentou. Segundo ela, os melhores resultados foram obtidos nos sete primeiros dias de uso do laser, quando o tecido ósseo alcançou o dobro de regeneração comparado aos ratos não tratados. Os professores preferiram não falar sobre as aplicações da descoberta.Indicaram que há boas expectativas para a aceleração da regeneração deossos fraturados, mas afirmaram que todas as hipóteses devem serinvestigadas. Maria Alice não descartou que o laser possa ajudar acombater os efeitos da osteoporose. A professora alegou, porém, que a osteoporose envolve uma estruturacomplexa, onde estão incluídos hormônios, que não se limita à lesãolocal. ?A pesquisa de Ivânia é básica. Revelou que o laser acelera arestauração do tecido ósseo e deu indícios de que existem benefícios eresultados. Mas eles terão que ser investigados?, argumentou.Baranauskas acrescentou que as pesquisas deverão ter continuidade naUnicamp e em outras universidades que se interessarem. Segundo MariaAlice, o laser já é usado rotineiramnete para regenerar tecidos comopele e tendão.

Agencia Estado,

14 de novembro de 2002 | 17h56

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.