Laudo sobre mancha no Paraíba do Sul sai na 2ªF

O presidente da Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente (Feema), Paulo Coutinho, disse, nesta sexta-feira, considerar provável que a mancha que surgiu nesta sexta-feira em trecho do Rio Paraíba do Sul, no município de Volta Redonda, no Estado do Rio de Janeiro, seja mesmo de óleo - laudo técnico será divulgado na próxima segunda-feira.O problema deixou sem água grande parte da cidade, na região do Médio Paraíba, prejudicando cerca de 100 mil habitantes. A secretaria estadual de Saneamento e Recursos Hídricos do RJ, porém, afastou, nesta sexta, o risco de haver problemas na área de coleta do Rio Guandu, que abastece a capital fluminense."Não temos idéia da origem do problema e ainda estamos fazendo análise no nosso laboratório. Acompanhamos o caso durante o dia, com a colaboração das secretarias municipais de Meio Ambiente de Volta Redonda e de Barra Mansa", disse Coutinho. Técnicos da Feema estão no local para tentar detectar a origem do problema.Nesta sexta, coletaram água do rio, para confirmar a natureza da substância poluidora. Segundo o presidente da Feema, a mancha, que estava com cerca de dez quilômetros de extensão, está se diluindo. "Possivelmente, ao longo do curso de água do rio, ela foi se volatilizando, uma parte decantou, e outra se prendeu nas margens", disse ele.A mancha no Paraíba do Sul levou quatro horas e meia para passar por Volta Redonda. Um siderúrgica fica no trecho em que poderia ter ocorrido o vazamento. Técnicos da Feema não descartam, porém, a possibilidade de o despejo ter ocorrido no Rio Barra Mansa, afluente que tem pequenas indústrias nas suas margens.

Agencia Estado,

26 de julho de 2002 | 20h25

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.