Lavar as mãos é o melhor remédio contra a gripe

Pesquisadores britânicos descobriram que a melhor maneira de prevenir a propagação da gripe comum e até mesmo da gripe do frango é lavar as mãos com freqüência.John Oxford, da Queen Mary?s School of Medicine, em Londres, analisou os melhores métodos de prevenção e concluiu que, mais do que utilizar produtos anti-virais, as pessoas deveriam ter a higiene pessoal como prioridade para evitar a gripe.Oxford e seu colega Rob Lambkin, da mesma faculdade, concluíram que a maneira menos efetiva de prevenir a transmissão da gripe comum é o uso de lenços de papel anti-virais.Estudos mostram que os vírus da gripe podem sobreviver na mão humana por várias horas e que eles podem se espalhar pelo contato direto.Tosse e espirrosAlém da infecção por meio de tosses e espirros de outros indivíduos, as pessoas podem pegar o vírus em suas mãos ao tocar um objeto ou uma pessoa infectada.Se elas então coçam o nariz ou os olhos com os dedos contaminados pelos vírus elas podem se infectar com a gripe e espalhar a doença para outras pessoas, levando a um círculo vicioso.?Infelizmente, o nível de higiene e limpeza pessoais caiu consideravelmente nas últimas décadas, com muitos micróbios usando como nunca essa oportunidade para se espalhar?, diz Oxford.Equipamentos?Para reduzir a transmissão do vírus, deve ser dada atenção principalmente à limpeza das mãos e, depois, quando isso for satisfatório, à limpeza de superfícies e de equipamentos divididos com outras pessoas, como mesas, telefones e maçanetas?, afirma.Segundo ele, é importante que as pessoas não substituam a limpeza pelo uso de produtos anti-virais, porque isso poderia levar ao aumento das infecções respiratórias mais sérias.?Certamente para o vírus da influenza, uma grande confiança continua a ser depositada em vacinas e em drogas anti-virais, mas a destruição do vírus pela limpeza das mãos e de superfícies deve ser um complemento importante.?

Agencia Estado,

30 de setembro de 2005 | 10h37

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.