Leite materno nos EUA e Canadá tem toxinas perigosas

O leite das mães que vivem no noroeste dos Estados Unidos e no sudoeste do Canadá tem um alarmante nível de toxinas, em conseqüência dos produtos químicos usados para evitar incêndios.Exames revelaram a presença de PBDE, uma substância utilizada geralmente em móveis, tecidos e equipamentos eletrônicos para evitar a propagação do fogo. A estrutura química do PBDE é parecida com a do PCB, um agente antichamas cancerígeno que foi proibido nos Estados Unidos nos anos 70.A pesquisa encontrou também resíduos de PCB no leite de 40 mulheres analisadas. Alguns estudos indicam que a combinação de PBDE com PCB intensifica os efeitos tóxicos.As mães do Oregon (noroeste) apresentaram os níveis mais altos de PBDE, e as do Estado de Washington são as mais contaminadas pelo PCB.O estudo foi realizado conjuntamente pela Northwest Environment Watch (NEW) e pela Agência de Proteção do Meio Ambiente da Califórnia.Peixes e póA descoberta no leite materno de toxinas presentes no PBDE representa "uma importante preocupação sanitária e ambiental" que exige uma "ação rápida", disse Clark Williams-Derry, da NEW.Os cientistas suspeitam de que o PCB contamina a comida, particularmente os peixes, enquanto o PBDE é inalado sob forma de pó."Sou uma pessoa que tem um estilo de vida relativamente saudável e não há motivo para ter estes químicos em meu corpo", comentou Andrea Riseden-Perry, uma das mães analisadas.MemóriaSegundo o instituto, o PBDE pode afetar a memória e o aprendizado, alterar o comportamento e retardar o desenvolvimento sexual.O PCB é um conhecido cancerígeno ligado a problemas de desenvolvimento e baixo nível de coeficiente intelectual."Está na hora de deter o uso destes produtos antichamas", disse Derry, frisando que "existem alternativas".Há uma década, a Suécia abandonou o uso do PBDE, e a União Européia seguiu seus passos, com um plano para erradicar o produto até 2006, lembrou a NEW.

Agencia Estado,

29 de agosto de 2005 | 11h06

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.