Lembranças falsas podem mudar comportamento, diz estudo

Pessoas podem facilmente criar memórias falsas que influenciam comportamentos e escolhas a longo prazo

da Redação, estadao.com.br

19 de agosto de 2008 | 18h54

Você conhece alguém que diz se lembrar do primeiro dia no jardim da infância? Ou de uma viagem feita quando ainda era bebê? Embora algumas pessoas consigam mesmo se lembrar de informações ordinárias do passado, uma pesquisa mostra que a memória humana é muito frágil e, até mesmo, influenciável.  Na realidade, as pessoas podem facilmente criar memórias falsas, e um novo estudo mostra que tais memórias podem ter efeitos comportamentais.  Elke Geraerts e seus colegas psicólogos de diversas universidades descobriram que é possível mudar comportamentos de longo prazo usando apenas uma técnica de sugestão.  Em uma série de experimentos, os pesquisadores sugeriram, falsamente, que os participantes passaram mal após comer uma salada de ovos quando crianças. Depois, ofereceram diversos tipos de sanduíches, incluindo alguns com recheio de salada de ovos. Quatro meses depois, os participantes foram chamados para participar de um estudo diferente, no qual avaliaram salada de ovos, além de outros alimentos. Eles então receberam os mesmos sanduíches de quatro meses antes.  Os participantes aos quais havia sido insinuada a lembrança falsa mostraram uma mudança clara de comportamento. Eles não só deram notas mais baixas para os alimentos, mas também evitaram os sanduíches de salada de ovo.  Os resultados, que foram publicados nesse mês de agosto na revista Psychological Science, têm implicações significativas quanto à autenticidade de alegações da recuperação de memórias reprimidas.

Tudo o que sabemos sobre:
memóriaciência

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.