Liberados recursos para proteção ambiental no Brasil

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva sancionou acordo de cooperação financeira entre Brasil e Alemanha para mais uma etapa do Programa Piloto para a Proteção das Florestas Tropicais do Brasil (PPG7). Com a publicação do convênio no Diário Oficial da União de ontem, os 66, 4 milhões de euros (mais de US$ 70 milhões), do Instituto Alemão de Crédito para a Reconstrução (KfW), têm disponibilidade praticamente imediata para serem utilizados pelo Ministério do Meio Ambiente e governos estaduais.Aproximadamente metade dos recursos serão destinados para projetos em área de Mata Atlântica nos estados do Rio de Janeiro, Minas Gerais, São Paulo, Santa Catarina e Rio Grande do Sul. O restante, cerca de 33,6 milhões de euros, são para programas federais de manejo florestal sustentável, combate às queimadas e reservas indígenas na Amazônia.Segundo Aurélio Vianna, coordenador do PPG7, ?o acordo demonstra crédito por parte dos investidores em relação ao trabalho desenvolvido pelo Brasil. Esses recursos chegam em um bom momento, já que o Programa Piloto está em transição?, diz. Entre os programas beneficiados estão os Corredores Ecológicos, Projetos Demonstrativos para Comunidades Indígenas (PDP/I), Projeto Integrado de Monitoramento e Controle de Desmatamento e Queimadas na Floresta Amazônica (Prodesque) e Projeto de Apoio ao Manejo Florestal Sustentável na Amazônia (Promanejo).Governo britânicoOutros três projetos de proteção ambiental no Brasil foram beneficiados, neste mês, com a liberação R$ 900 mil do Programa de Projetos Ambientais (PPA) do Ministério Britânico das Relações Exteriores, que está alocando R$ 7,5 milhões para 57 projetos em diversas partes do mundo. O projeto ?Conservação florestal, manejo e monitoramento da Reserva de Desenvolvimento Sustentável de Urariá?, no Amazonas, receberá cerca de R$ 525 mil e será implementado pela Conservation International do Brasil (CI-Brasil).O segundo beneficiado é o projeto ?Sons da Floresta?, da Organização Ambientalista Amainan Brasil, de Sorocaba (São Paulo), cujo objetivo é incentivar produtores, consumidores e estudantes do setor de instrumentos musicais do Brasil a investir e participar da conservação a longo prazo das espécies e habitats florestais ameaçados de extinção. Os recursos, da ordem de R$ 142 mil, serão aplicados, também, em estratégias para seu uso sustentável.Além destes, foi contemplado o ?Programa de Treinamento e Pesquisa do Dossel da Floresta Tropical?, do Global Canopy Programme, que receberá R$ 225 mil para promover a capacitação no Brasil para a exploração da biodiversidade do dossel florestal, sua composição, funções, valores e contexto político. Os cursos serão administrados pela Universidade Federal de Ouro Preto (Ufop), em colaboração com a Universidade de Campinas (Unicamp) e a Universidade Estadual de Santa Catarina (Uesc). Há um mês, o governo britânico já havia anunciado o financiamento pela Iniciativa Darwin, administrada pelo Ministério Britânico do Meio Ambiente, de outros R$ 1,5 milhão para projetos de biodiversidade no Brasil.

Agencia Estado,

30 de abril de 2003 | 16h20

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.