Licenciamento para transgênico é avanço, diz Greenpeace

A coordenadora da Campanha de Engenharia Genética do Greenpeace, Mariana Paoli, disse que o projeto da Lei de Biossegurança aprovado na quarta-feira é pior do que o texto original enviado ao Congresso, mas considerou uma vitória a ?obrigatoriedade? do licenciamento ambiental para a liberação comercial de transgênicos. ?Não dá para a CTNBio dizer de antemão o que é ou não é um risco. As análises são complementares?, avaliou.Ela elogiou também a exigência da realização de audiências públicas pela CTNBio antes da liberação comercial. O maior retrocesso, disse, foi a extensão do prazo para plantio de soja transgênica por mais um ano. ?Estão favorecendo a Monsanto mais uma vez?, disse, referindo-se à multinacional que detém a patente sobre o produto. A empresa disse que só vai se pronunciar após a publicação do texto oficial do projeto.IdecA coordenadora executiva do Instituto de Defesa do Consumidor (Idec), Marilena Lazzarini, considerou o projeto uma ?colcha de retalhos?. ?Vamos ter uma lei pior do que a que temos hoje?, disse.Para ela, a avaliação por um conselho interministerial só faria sentido no início do processo, não no final. ?Não consigo imaginar esse conselho dizendo não para uma empresa depois que toda a pesquisa já foi realizada.?

Agencia Estado,

06 de fevereiro de 2004 | 11h25

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.