Lula e ministra tocam tambor em discurso de artista

O reforço da segurança e o cuidado do cerimonial não foram suficientes para evitar problemas como o enfrentado por Lula na semana passada, quando uma missionária evangélica fez um discurso em cerimônia oficial.Nesta quinta-feira, na solenidade do Dia Mundial do Meio Ambiente, no mesmo salão do Palácio do Planalto, Lula e dois convidados ilustres se viram obrigados a tocar tambores entregues pelo representante do movimento Artistas pela Natureza, Bené Fonteles.Enquanto o ativista, acompanhado por percussionistas, lia o manifesto Tambores pela Paz, contra a indústria alimentícia e os transgênicos, os três batucavam. "Todo aquele que tem coisas de que não precisa é um ladrão e, portanto, todos somos ladrões", dizia Fonteles, citando uma frase de Gandhi.A ministra do Meio Ambiente, Marina Silva, confirmou ter convidado Fonteles para a apresentação: "Ele é um artista. Não sabia o que ia dizer e, mesmo que soubesse, longe de mim censurar um artista".O ativista contou ter levado três tambores para que Lula, a primeira-dama, Marisa da Silva, e a ministra Marina acompanhassem o grupo: "Só que isso era uma surpresa. Ninguém sabia". Como Marisa não estava na cerimônia, Fonteles repassou o instrumento para frei Leonardo Boff.No início, Lula hesitou na batucada. Aos poucos, batucou timidamente. Os tambores, garantiu Fonteles, passaram pelo aparelho de raio X. O Gabinete de Segurança Institucional (GSI) determinou rígido controle dos 500 convidados. Havia pelo menos 25 seguranças, número maior do que o normal, e cavaletes para impedir que se chegasse perto de Lula.

Agencia Estado,

05 de junho de 2003 | 21h54

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.