Luta contra Alzheimer sofre revés com uma nova pesquisa

Pesquisadores podem assegurar da placa que cresce nos cérebros dos doentes de Alzheimer não oferece cura

Efe

17 de julho de 2008 | 20h29

Extirpar a placa que se forma no cérebro de um paciente com Alzheimer não diminui a degeneração associada a esta doença, segundo demonstra um estudo que refuta a teoria defendida até agora por vários especialistas.   A pesquisa, dirigida pela Universidade de Southampton, Inglaterra, contou com uma amostra de 80 doentes de Alzheimer. Em 64, inoculou uma vacina - a AN1792- que serve para acabar com esta placa, enquanto os 16 restantes receberam um placebo.   Depois de seis anos, e após a morte de 20 pacientes (15 do grupo vacinado e 5 do grupo do placebo), os pesquisadores chegaram à conclusão de que não havia diferença alguma entre os casos dos dois grupos, pois os pacientes de ambos apresentavam as mesmas taxas de sobrevivência e os mesmos níveis de degeneração neuronal com a passagem do tempo.   Desta forma, os pesquisadores podem assegurar que a extirpação da placa que cresce nos cérebros dos doentes de Alzheimer não é a solução, nem representa nenhuma melhora para os pacientes desta doença.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.