Luta para salvar os pardais, que estão sumindo de Londres

O tão comum pardal inglês, que antes se via em todos os jardins e parques da Inglaterra, estão sumindo de Londres e do sul do país tão rapidamente que o governo convocou, hoje, uma reunião para discutir meios de estancar o declínio.O número de pardais caiu de 12 milhões de pares para menos de 7 milhões nos últimos 30 anos, principalmente nos jardins urbanos e suburbanos, de acordo com uma pesquisa do governo.?O chilreio amigável dos pardais é uma parte muito amada da vida britânica?, disse Bem Bradshaw, ministro do Meio-Ambiente, antes da reunião de especialistas. ?Este é um declínio muito dramático mas não irreversível. Se todos fizermos nossa parte, a população deste valorizado pássaro poderá aumentar.?Uma queda na taxa de sobrevivência adulta, um declínio nas fontes de alimentos e poucos resultados na tentativa de criá-los em habitats suburbanos no sudeste da Inglaterra são responsáveis pelo declínio no número de pardais. A espécie é crescente nas áreas de Gales e Escócia.Cerca de 60% da espécie vive em cidades pequenas e parques rurais. Os possíveis fatores que estão reduzindo a ocorrência de pardais nas cidades maiores são poluição do ar e gatos. Os pardais são atualmente animais domésticos: vivem e procriam perto dos homens, alimentando-se de sementes e sobras, e fazem ninhos em buracos e fendas de edificações, assim como em árvores e em moitas de jardins.?O desaparecimento dos pardais parece estar ligado ao modo que construímos nossas casas e a facilidade que têm para encontrar comida?, diz Rosie Cleary, especialista em pardais do British Trust for Ornithology. ?A situação está-se tornando crítica em Londres, mas há um grande número de jardim por toda a Inglaterra dos quais os pardais sumiram.?Governo e especialistas estão apelando aos ingleses para que tornem suas casas e jardins mais acolhedoras para os pardais.

Agencia Estado,

20 de fevereiro de 2004 | 15h27

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.