Universidade de East Anglia.
Universidade de East Anglia.

Machos existem para proteger espécies da extinção, diz estudo

'Seleção sexual' traz benefícios que explicam por que o sexo é o mecanismo de reprodução predominante na natureza

FABIO DE CASTRO , O Estado de S. Paulo

18 Maio 2015 | 20h35

SÃO PAULO - A existência dos machos agora tem uma explicação científica comprovada por um experimento. O mecanismo conhecido como "seleção sexual" - quando os machos competem e as fêmeas escolhem seus parceiros - melhora a saúde das populações e protege contra a extinção, de acordo com um estudo publicado nesta segunda-feira, 18, na revista Nature. Além da existência dos machos, a descoberta explica também por que o sexo é o mecanismo de reprodução predominante na natureza.

A questão tem sido intrigante para os biólogos: por que a seleção evolutiva permite a existência de machos, se em tantas espécies sua única contribuição para a reprodução são os espermatozoides? De acordo com o experimento, liderado por Matt Gage, da Universidade de East Anglia (Reino Unido), os benefícios da seleção sexual são a resposta. O conceito de seleção sexual foi introduzido por Charles Darwin no século XIX.

"A seleção sexual opera quando machos competem pela reprodução e as fêmeas escolhem seus parceiros. A existência de dois sexos diferentes incentiva esse processo, que, em última instância, define quem consegue reproduzir seus genes na próxima geração. Por isso ela é uma força evolutiva tão poderosa e tão generalizada", afirmou Gage.

Segundo ele, quase todas as espécies multicelulares na Terra se reproduzem usando sexo. Ainda assim, não é fácil explicar a existência desse mecanismo, que gera uma série de prejuízos, do ponto de vista evolutivo. Um dos problemas mais evidentes é o fato de que apenas metade da prole - as fêmeas - podem produzir novas crias. Segundo Gage, sistemas em que todos os indivíduos produzem uma prole sem sexo - como em populações só de fêmeas assexuadas - seriam, em tese, mais eficazes para reproduzir um número muito maior de filhotes.

"A princípio, produzir filhos machos parece um enorme desperdício de esforços. Por isso, procuramos entender como a seleção Darwiniana permitiu que um sistema reprodutivo tão perdulário tenha se generalizado dessa forma", afirmou Gage. "Nossa pesquisa mostra que a competição entre os machos para a reprodução fornece um benefício realmente importante porque melhora a saúde genética da população. A seleção sexual consegue isso agindo como um filtro para remover mutações genéticas nocivas, ajudando as populações a evitar a extinção a longo prazo", declarou.

Para confirmar o papel da seleção sexual, a equipe de cientistas desenvolveu uma linhagem de besouros-castanhos - conhecidos por atacar cereais moídos, como farinha - ao longo de 10 anos, em condições controladas de laboratório. A única diferença entre as populações criadas era a intensidade da seleção sexual em cada estágio da vida adulta reprodutiva.

No experimento, a força da seleção sexual variou da mais intensa - quando 90 machos competiam para reproduzir com apenas 10 fêmeas - até a completa ausência de seleção sexual, quando os besouros foram separados em pares monogâmicos, sem que a fêmea pudesse fazer escolhas e sem que os machos competissem.

Depois de sete anos de reprodução nessas condições - o equivalente a cerca de 50 gerações -, os pesquisadores avaliaram a saúde genética das populações resultantes. A equipe realizou também experimentos com a endogamia - o acasalamento entre indivíduos aparentados - para revelar a quantidade de mutações nocivas que ela poderia causar em cada população.

De acordo com os resultados do estudo, as populações que haviam experimentado uma forte seleção sexual mantiveram condições físicas melhores e foram mais tolerantes à extinção diante da endogamia. Algumas populações sobreviveram mesmo depois de 20 gerações endogâmicas, com irmãos acasalando com irmãs em cada geração.

No entanto, as populações que experimentaram uma seleção sexual fraca, ou inexistente, mostraram declínio mais rápido na saúde e - no caso dos cruzamentos endogâmicos - foram todas extintas por volta da décima geração. "Esses resultados mostram que a seleção sexual é importante para a saúde e para a persistência de uma população, porque ajuda a purgar as variações genéticas negativas e a manter as boas", afirmou Gage. 

"Nossa descoberta fornece um apoio direto à ideia de que o sexo persiste como um modo predominante de reprodução porque permite a seleção sexual, para trazer esses importantes benefícios genéticos. Na ausência do sexo, as populações acumulam mutações nocivas. Cada nova mutação aproxima a população da extinção", explicou o cientista.

O tratamento monogâmico, no qual não houve seleção sexual por 50 gerações, resultou em um nível bem mais baixo de saúde da população, que chegou a uma rápida extinção quando foi confrontada com os cruzamentos endogâmicos. 

"Todas as populações derivadas de casais monogâmicos foram extintas depois de apenas oito gerações. Em contraste, as populações derivadas dos mesmos ancestrais, mas com a oportunidade de competição entre machos e escolha entre as fêmeas, mantiveram a saúde e evitaram a extinção, reproduzindo-se por mais de 20 gerações, mesmo confrontadas com a endogamia", disse Gage.

Mais conteúdo sobre:
Seleção sexual

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.