Madeira ilegal virou assunto de criminosos

Ao lado de alguns poucos madeireiros à moda antiga, que ainda usam de fraudes nos planos de manejo, a maior parte dos ilegais são criminosos, que andam com jagunços armados e cada vez mais violentos. Conforme o levantamento da entidade ambientalista Amigos da Terra sobre a madeira amazônica, eles tendem a explorar apenas as espécies nobres mais rentáveis, como o mogno, e tiram as toras de unidades de conservação e reservas indígenas.A maior intensidade e gravidade de roubo de madeira tem sido registrada nos municípios paraenses de Redenção, São Félix do Xingu e Tucumã, envolvendo as Áreas Indígenas Apiterewa, Baú, Trincheira Bacajá, Xicrin do Bacajá e Kararaô. Os conflitos armados com os índios são freqüentes e as negociações em torno da venda da madeira, quando existem, são sempre tensas. No Mato Grosso e Rondônia, os conflitos entre madeireiros e índios costumam envolver os Cinta-Larga. No Maranhão, os focos de ilegalidade estão em Açailândia, Buriticupu, Santa Inês, Imperatriz e Amarante, com vínculos dos madeireiros com tráfico de drogas, comércio de armas e furto e receptação de veículos.Ainda de acordo com o estudo dos ambientalistas, o acobertamento e ?legalização? dessa madeira extraída ilegalmente depende da compra da Autorização de Transporte de Produtos Florestais (ATPF), que em muitos locais funciona como uma verdadeira moeda paralela, que chega a ter flutuações de câmbio, conforme a época do ano. A madeira ilegal que chega a ser exportada costuma atravesar quase todo o país, da Amazônia ao porto de Paranaguá, no Paraná, onde existe ?uma verdadeira quadrilha da falsificação?, com envolvimento de funcionários de órgãos públicos.

Agencia Estado,

10 de junho de 2002 | 09h14

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.