Maior mancha de óleo se aproxima do litoral espanhol

A maior mancha de óleo formada pelo afundamento do petroleiro Prestige, que provocou o derramamento de 11 mil toneladas de óleo combustível no mar, estava nesta quarta-feira a 100 quilômetros da costa espanhola, 20 quilômetros mais próxima do que no dia anterior. Na Galícia, prosseguem os trabalhos de limpeza nas 141 praias atingidas. Em algumas, como Muxia, os voluntários já estão limpando pela terceira vez.As autoridades portuárias das Bahamas, onde o Prestige - um petroleiro de 26 anos - estava registrado, negaram a falta de controle como razão do acidente. Para as autoridades, "os reparos feitos na China em maio de 2001 são de particular interesse para a investigação".Eles adiantam que "a aplicação de novas chapas de aço sobre uma estrutura velha, com possível fadiga, vai ser analisada".Enquanto isso, o capitão do Prestige, Apostolos Mangouras, depôs em juízo, dizendo que "logo depois de um som muito alto, como uma explosão, o petroleiro estava adernando a 25 ou 30 graus".Ele disse que mandou encher de água um dos tanques de lastro "para evitar a poluição e corrigir o prumo do navio."O capitão está preso, acusado de desobediência pelas autoridades espanholas. Foi alegado que ele impediu, por horas, que o Prestige fosse rebocado, depois de avariado.

Agencia Estado,

27 de novembro de 2002 | 22h39

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.