Maior reserva de água do mundo, a brasileira, será mapeada

A Companhia Vale do Rio Doce (CVRD) iniciou nesta semana um projeto inédito de levantamento de dados, que promete ser a mais abrangente avaliação da qualidade da água dos principais rios e lagos utilizando a mesma metodologia em todo o País. Batizado de Brasil das Águas, o projeto, que terá duração de um ano e contará com o trabalho do piloto Gérar Moss, está sendo coordenado pela Infostrata, empresa da Vale, especializada em desenvolver e implementar sistemas de informações geográficas.O Brasil representa hoje a maior reserva de água doce da Terra, com 12% do total mundial. Com a taxa atual de crescimento de consumo, duas em cada três pessoas estarão vivendo em condições de escassez em 2025. Gérard Moss decolou na terça e irá percorrer 100 mil quilômetros dentro do Brasil a fim de realizar um mapeamento dos principais rios e bacias, que abastecem o País. Seu projeto também auxiliará no mapeamento de rios e lagos, a partir das fotos aéreas de cada local de coleta que Moss enviará. Referenciadas com GPS, as fotos permitirão a visualização das características do terreno por cientistas. A solução da Infostrata possibilitará a compilação e cruzamento de dados geográficos e numéricos enviados por um sistema ligado remotamente ao site www.brasildasaguas.com.br. As informações numéricas e de imagem enviadas pelo piloto passarão a integrar a base de dados do site automaticamente, sendo acessíveis não só a cientistas, mas à população em geral.Equipado com sondas medidoras, refrigerador para conservar as amostras além de câmeras fotográficas fixas, seu hidroavião monomotor, foi transformado em um laboratório aéreo, habilitado a captar amostras em pleno vôo em locais onde o pouso não for possível. Uma seqüência de fotografias aéreas orientadas por GPS, tiradas dos locais de coleta, permitem aos cientistas visualizar as características do terreno, o tipo de cobertura vegetal e uso na origem de cada amostra.

Agencia Estado,

09 de outubro de 2003 | 12h50

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.