Eli Hadder/EFE
Eli Hadder/EFE

Maior Superlua de 2022 pode ser vista no céu na noite desta quarta-feira

Fenômeno é resultado da combinação da fase de lua cheia e o perigeu, momento em que o satélite se encontra mais próximo da Terra

Redação, O Estado de S.Paulo

13 de julho de 2022 | 18h56

Na mesma semana em que a Nasa divulgou descobertas revolucionárias sobre o Universo a partir de imagens captadas pelo telescópio espacial James Webb, as pessoas poderão olhar para o céu, nesta quarta-feira, 13, e avistar a maior Superlua de 2022. 

O fenômeno astronômico é resultado da combinação de dois acontecimentos: a aparição da Lua na fase cheia (quando Sol e Lua estão alinhados, e os raios solares atingem de forma frontal, e sem obstáculos, o satélite natural da Terra), e o perigeu, momento em que essa Lua cheia, que orbita o planeta terrestre, se encontra mais próxima da Terra.

A equação astronômica vai permitir que as pessoas consigam visualizar, de forma aparente, a Superlua 16% mais brilhante e 6% maior em comparação com as luas cheias convencionais, segundo o site Space.com. Contudo, de acordo com o astrônomo Carlos Andrade, ouvido pelo Estadão, essas diferenças dificilmente poderão ser vistas por aqueles que não tem um olhar "treinado".

"A variação (de tamanho e brilho) é pouca. Não deve ser notada por pessoas que raramente observam a Lua, exceto nessas ocasiões especiais", disse o astrônomo. De acordo com a Nasa, a Lua está há 385.000 quilômetros da Terra. No perigeu, essa distância pode se encurtar para 355.955 quilômetros, segundo Andrade.

"Toda Lua, para nós (astrônomos), é 'super' de alguma forma. Não é ela estando um pouco mais próxima, ou afastada, que irá nos ser diferente", ponderou o especialista, que olha para o único satélite natural da Terra como "sempre lindo e fascinante, independente da posição em que se encontra." 

Esta será a terceira Superlua em 2022. O fenômeno aconteceu outras duas vezes em maio e junho, e voltará a acontecer em agosto — a Lua volta a ficar cheia no dia 11 do próximo mês. Porém, segundo os especialistas, a desta quarta-feira será a maior das quatro.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.