Mais dez áreas protegidas terão plano de manejo

O presidente do Ibama, Rômulo Mello, assinou nesta semana portarias aprovando a elaboração da planos de manejo para dez unidades de conservação: os parques nacionais Jaú (no Amazonas), Ubajara (Ceará) e Serra do Divisor (Acre), as reservas biológicas Gurupi (Maranhão), Uma (Bahia), Uatumã (Amazonas), Comboios e Augusto Ruschi (ambas no Espírito Santo), além das estações ecológicas Juami-Japurá e Anavilhanas, no Amazonas. A medida faz parte da determinação legal, que dá prazo até 2007 para o governo implantar planos de manejo nas 247 áreas protegidas federais. Até o momento, porém, somente 52 planos foram aprovados e 35 estão em elaboração ou revisão. Segundo Margarene Bezerra, da diretoria de Ecossistemas do Ibama, dos 52 planos elaborados, 23 estão atualizados e 17 aguardam atualização.A Lei do Sistema Nacional de Unidades de Conservação (Snuc) determina que o plano de manejo deve abranger toda a área da unidade de conservação, sua zona de amortecimento e os corredores ecológicos, incluindo estrutura física e medidas para promover sua integração à vida econômica e social das comunidades do seu entorno. Sua elaboração, segundo o Ibama, leva entre 12 e 18 meses e custa, em média, R$ 400 mil. Sem plano de manejo, a área de preservação fica impedida de abrigar qualquer tipo de atividade, exceto as destinadas à sua proteção e fiscalização.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.