Mancha de melaço deixa milhares de peixes mortos

O melaço, que vazou de um reservatório da Usina da Pedra e atingiu o Rio Pardo, em Ribeirão Preto, chegou até o Rio Grande, em Colômbia, na divisa do Estado de São Paulo com Minas Gerais, causando mais mortes de peixes de várias espécies. As agências regionais da Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental (Cetesb) em Ribeirão Preto e Barretos esperam que a mortandade de peixes tenha terminado. A usina, que pretende repovoar o Rio Pardo para diminuir o dano ambiental causado pelo rompimento do reservatório de melaço, poderá ser multada em até R$ 110 mil. A mancha de melaço foi se diluindo ao lado do Rio Pardo, mas ainda causou estragos no Rio Grande. A dúvida é se os peixes (jaus, pintados e outras espécies), encontrados mortos no Grande, morreram no local ou ao longo do trajeto, em cerca de 150 quilômetros de leito.Para o gerente da agência da Cetesb, em Barretos, Paulo Henrique Fogaça, o Grande já se recuperou. A mancha de melaço chegou à região na quinta-feira (02) e já teria se diluído. Em Colômbia, o sistema de captação de água do reservatório da cidade estava abaixo do normal, mas o problema foi solucionado com a retirada dos peixes mortos. O gernete da Agência Ambiental da Cetesb, em Ribeirão Preto, Marco Antonio Sanchez Artuzo, disse que a multa a ser aplicada à Usina da Pedra dependerá, ainda, do laudo da água, em associação ao trabalho de campo, como a fiscalização. Não há prazo definido para a usina ser multada.

Agencia Estado,

06 de outubro de 2003 | 16h16

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.