Mancha gigante de óleo se aproxima da Galícia

Novas massas do combustível derramado pelo petroleiro liberiano Prestige, acidentado na costa da Galícia no dia 13, continuam a chegar ao litoral galego. Nesta segunda-feira, pequenas manchas chegaram às praias de Riazor, Orzan e Amorosas, em La Coruña.As autoridades e a população temem a chegada da mancha maior, do tamanho de 15 campos de futebol, que está cada vez mais próxima da costa. Entre 300 e 400 quilômetros do litoral galego já estão contaminados pelo óleo.Segundo as últimas estimativas do ministro do Meio Ambiente espanhol, Jaume Matas, 165 praias foram afetadas pela maré negra, 13 delas com gravidade. As autoridades ressaltaram nesta segunda, no entanto, que 7 mil toneladas de combustível já foram retiradas da água e 2,5 mil das praias. Calcula-se que 20 mil toneladas vazaram do Prestige."A mancha principal de óleo está à mesma distância da costa que ontem (domingo), cerca de 30 quilômetros", informou Matas. As autoridades espanholas temem que o óleo continue vazando do petroleiro, que no dia 19 se partiu em dois e afundou, carregado com 60 mil toneladas de combustível.Nesta segunda, o minissubmarino francês Nautile, com três tripulantes, realizou a primeira imersão no local do naufrágio e não detectou indícios de mais vazamento. O Nautile leva duas câmeras fotográficas e duas de vídeo e pode submergir até uma profundidade de 6 mil metros.Autoridades espanholas puseram em dúvida a possibilidade de que o Prestige continue perdendo carga, já que o combustível deve ter se solidificado a uma profundidade de 3,5 metros em água fria.Além de ter arruinado a vida de cerca de 6 mil de pescadores e 800 marisqueiros, o combustível derramado já provocou danos incalculáveis para a fauna marinha. Nesta segunda, perto do cabo Touriñán, um filhote de golfinho morto foi lançado à praia, e os ambientalistas temem que ele seja apenas o primeiro de uma série. Até este domingo, só os pássaros figuravam como vítimas.A Sociedade Espanhola de Ornitologia SEO/Birdlife estima que entre 10 mil e 15 mil aves tenham morrido ou estejam seriamente afetadas pelo acidente. O Greenpeace, por sua vez, anunciou que análises feitas pelo Instituto de Investigações Químicas e Ambientais de Barcelona em amostras do combustível confirmaram sua toxicidade, em especial "a presença de hidrocarbonetos aromáticos policíclicos pesados (PAHs), os mais tóxicos e potencialmente cancerígenos, como o benzopireno".O primeiro-ministro dinamarquês, Anders Fogh Rasmussen, cujo país detém a presidência rotativa da União Européia, se declarou partidário de uma "ação rápida" e de "uma aplicação efetiva e acelerada da legislação européia sobre segurança marítima". Rasmussen expressou seu desejo de que se alcancem "resultados concretos" sobre o assunto na próxima reunião da UE, dias 12 e 13.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.