Mancha tóxica chega ao Espírito Santo

A mancha negra de produtos tóxicos que vazaram de um reservatório da fábrica mineira de papel Cataguases chegou hoje ao Estado do Espírito Santo, ameaçando pelo menos 100 quilômetros de costa. De acordo com técnicos do Ibama que sobrevoaram a região, a poluição já atingiu o litoral da cidade capixaba de Presidente Kennedy, na divisa com o Estado do Rio, e os municípios fluminenses de São Francisco de Itabapoana, São João da Barra e Campos.A mancha densa ameaça agora a cidade capixaba de Marataízes e pode afetar o projeto Tamar, que monitora a desova de tartarugas na Bacia de Campos e no litoral do Espírito Santo. O gerente-regional da Superintendência Estadual de Rios e Lagoas (Serla) no Norte Fluminense, Alan Carlos Vieira Vargas, disse hoje que pelo menos 100 lagoas estão em áreas de risco na região atingida pelo desastre ambiental."Temos mais de 1,5 mil quilômetros de canais que ligam o Rio Paraíba do Sul com as lagoas. Os agricultores estão de boca aberta, esperando uma solução, porque os canais servem para irrigação", disse ele. "Nós fechamos as comportas e tentamos isolar as lagoas, mas houve alguns vazamentos."Pelo menos uma lagoa já foi atingida pela mancha, a Lagoa da Praia, no município de São Francisco de Itabapoana, que fica na divisa com o Espírito Santo. Terça-feira, técnicos do laboratório de ciências ambientais da Universidade Estadual do Norte Fluminense (Uenf) vão vistoriar os canais da região para avaliar o impacto do acidente nas lagoas.

Agencia Estado,

06 de abril de 2003 | 19h59

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.