David Lat/Free Images
David Lat/Free Images
Imagem Fernando Reinach
Colunista
Fernando Reinach
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Manipulando nosso relógio interno

Experiência subjetiva da passagem do tempo algumas vezes anda mais rápido ou mais lentamente que o relógio objetivo que temos no pulso

Fernando Reinach, O Estado de S.Paulo

17 Dezembro 2016 | 03h00

O elevador da minha casa leva exatos 47 segundos para ir do térreo ao meu andar. Muitos dias entro no elevador, fecho os olhos, e estimo mentalmente os 47 segundos. Quando minha mente decide que eles passaram, abro os olhos. Muitas vezes o elevador chega ao andar antes do meu relógio interno contar 47 segundos; em outras, abro os olhos pensando que se passaram 47 segundos, mas o elevador continua subindo. Esse experimento simples demonstra que nosso relógio interno, nossa experiência subjetiva da passagem do tempo, algumas vezes anda mais rápido ou mais lentamente que o relógio objetivo que temos no pulso.

Faz muitos anos que se suspeita que nosso relógio interno é controlado por um grupo de neurônios dopaminérgicos em uma região específica do cérebro. A novidade é que agora, manipulando esses neurônios, os cientistas conseguiram fazer o tempo subjetivo acelerar ou desacelerar.

Os cientistas usaram um experimento muito interessante. Eles colocaram camundongos em uma gaiola, com três buracos alinhados horizontalmente na parede. Quando o camundongo coloca o nariz no buraco do meio, ele ouve um apito. Passado um intervalo de tempo, que varia entre 0,6 segundo e 2,4 segundos, ele ouve um segundo apito. Se o intervalo entre os apitos é longo (maior que 1,5 segundo), a água fica disponível no buraco da esquerda. Se o intervalo entre os apitos é menor, a água fica disponível no buraco da direita. Assim, para beber água o camundongo precisava “decidir” se o intervalo entre os apitos era maior ou menor que 1,5 segundo.

Depois de o camundongo aprender o truque, os cientistas mediram a taxa de acerto. Quando o intervalo entre os apitos estava nos extremos (0,6 segundo ou 2,4 segundos), o acerto na escolha do buraco onde estava a água era de 100% - os bichinhos nunca erravam. Quando o intervalo se aproximava do ponto central (1,5 segundo), a taxa ia diminuindo. E quando o intervalo entre apitos era de exato 1,5 segundo, os camundongos acertavam em somente 50% dos casos, como era de se esperar.

Feita a curva da taxa de acerto do camundongo versus o tempo entre os apitos, os cientistas puderam começar a manipular os neurônios dopaminérgicos dessa região específica do cérebro e verificar o comportamento do camundongo. Em um primeiro experimento, eles destruíram parte desses neurônios. O que eles observaram é que o camundongo agora acertava menos em todos os intervalos, ou seja, o relógio interno ficou menos preciso, tanto em intervalos de tempo grandes quanto em pequenos. Mesmo quando o intervalo de tempo era muito longo ou muito curto, o camundongo só acertava onde estava a água em 75% dos casos. Ou seja, o relógio interno havia ficado menos confiável.

Mas o mais interessante foi o que eles observaram quando ativaram ou reprimiram a atividade desse grupo de neurônios. Quando eles ativaram esses neurônios, o relógio interno dos camundongos passou a andar mais lentamente e os dois ruídos separados por 1,5 segundo eram medidos pelo relógio interno como 0,6 segundo e eles sempre iam buscar a água no buraco da direita. O contrário foi observado quando os neurônios foram reprimidos: o relógio interno “percebia” 1,5 segundo como se fosse 2,4 segundos e o camundongo ia buscar a água no buraco da esquerda. Como essa estimulação ou inibição era reversível, passado o efeito do tratamento, o comportamento do camundongo voltava ao normal.

Esse experimento demonstra que o relógio interno é controlado por um simples grupo de neurônios dopaminérgicos, e esse relógio pode ser manipulado para perder a sensibilidade, andar mais rápido ou mais lentamente que o relógio objetivo (o que temos no pulso).

É impressionante saber que uma característica aparentemente tão complexa como o funcionamento de nosso relógio interno é controlada por alguns neurônios e pode ser manipulado ao nosso bel prazer alterando a atividade desses neurônios. Agora já sei o que deve estar acontecendo com meus neurônios dopaminérgicos quando o elevador chega antes ou depois da expectativa criada por meu relógio interno.

MAIS INFORMAÇÕES: MIDBRAIN DOPAMINE NEURONS CONTROL JUDGMENT OF TIME. SCIENCE, VOL. 354 PÁG. 1.273 (2016)

* É BIÓLOGO

Mais conteúdo sobre:
Fernando Reinach

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.