Mão biônica usada por mais de 200 pessoas é premiada

Modelo é o mais moderno do mundo entre os que estão disponíveis no mercado.

Jonathan Fildes, BBC

10 de junho de 2008 | 08h06

A mão biônica mais moderna do mundo entre os modelos disponíveis no mercado ganhou o principal prêmio de engenharia da Grã-Bretanha.O i-LIMB é uma prótese com cinco dedos e já foi implantada em mais de 200 pessoas, incluindo soldados americanos que perderam a mão e o braço na guerra do Iraque.O aparelho começou a ser criado em 1963 na Escócia como parte de um projeto para auxiliar crianças afetadas por talidomida. Ele só se tornou comercialmente disponível em julho do ano passado, quando passou a ser produzido pela empresa Touch Bionics.O i-LIMB venceu o prêmio MacRobert, da Real Sociedade de Engenharia da Grã-Bretanha. O aparelho venceu outros três finalistas: um sensor que detecta doenças em fase inicial, um filtro de fuligem para carros a diesel e um sistema robótico que mantém amostras biológicas vivas em temperaturas abaixo de zero.Motor em cada dedo"A mão biônica tem duas atrações únicas", disse Stuart Mead, diretor-geral da Touch Bionics."A primeira é que colocamos um motor em cada um dos dedos, o que significa que cada dedo é mobilizado individualmente e pode se articular.""O segundo é que o polegar pode girar 90 graus da mesma forma que os nossos polegares fazem. A mão é a primeira prótese que imita tanto a forma quanto a função da mão humana."A prótese não é tão moderna quanto outras que foram desenvolvidas pela agência espacial americana Nasa e pela empresa de equipamentos militares Darpa. Mas é a única que está disponível comercialmente no mercado.Não é necessário cirurgia para implantar a mão. O movimento é criado por dois eletrodos que repousam sobre a pele. Eles pegam sinais de contrações de músculos do corpo.Um computador dentro da prótese interpreta os sinais e aciona os mecanismos de movimento da mão.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.