Máquina engolidora de mosquitos pode combater a dengue

A companhia americana American Biophysics Corporation inventou uma máquina que atrai e engole as fêmeas de várias espécies de mosquitos. A sua representante exclusiva no Brasil, aempresa paulistana Mosquitron do Brasil, começou a comercializar o produto no País há cerca de três meses e já vendeu 302 equipamentos para empresas e pessoas físicas.O diretor da Mosquitron, Hélio José Poli, afirma que a máquina, chamada de "Mosquito Magnet", foi "tropicalizada" e está preparada para eliminar espécies nativas, como o Aedes Aegypti (transmissor da dengue), Aedes Scapularis (transmissor daencefalite) e Culex sp (pernilongo comum). Segundo Poli, a Mosquitron iniciou testes com as prefeituras do Rio e São Paulo parainstalar os equipamentos em lugares de grande incidência dos insetos como forma decombater a dengue e outras doenças. "Temos três máquinas na Marginal Tietê, em SãoPaulo, como parte do projeto ´Pomar´ da Prefeitura", afirma Poli. O equipamento, segundo ele, não utiliza nenhum tipo de pesticida. O "MosquitoMagnet" exala dióxido de carbono (CO2) e ácido láctico, eliminados pelos seres humanos durante a transpiração. Segundo os técnicos da American Biophysics, essas substâncias, aliadas ao calor e à umidade, atraem a fêmea do inseto hematófago (que se alimenta de sangue) para o equipamento.Desta forma, um pequeno exaustor sugaos mosquitos para uma rede interna, onde eles morrem por falta de alimento. Embora a máquina possa interessar hospitais e empresas de agribusiness, Poli afirma que os principais clientes no Brasil têm sido grandescompanhias, como a Avon e a Clariant. "Instalamos 15 máquinas no Centro Empresarial de São Paulo e, em 30 dias, capturamos 115 mil fêmeas do mosquito Culex", afirma.Poli diz que muitas unidades foram vendidas para residências. "Numa casa do Morumbi (bairro de elite de São Paulo), instalamos seis equipamentos."Cada equipamento pesa 15 quilos e custa R$ 2.990,00 na versão mais simples. Elefunciona 24 horas e é abastecido pelo gás de cozinha. Cobre uma área de até quatro milmetros quadrados e chega a eliminar 1.500 mosquitos por dia. Segundo Poli, a Mosquitron espera faturar R$ 4,5 milhões com a novidade em 2003. No ano passado, a American Biophysics vendeu 60 mil unidades do aparelho nos EUA. De acordo com Poli, os americanos estudam instalar uma fábrica no Brasil para produzir de mil a 2 mil unidades por ano e abastecer o mercado da América do Sul.Segundo o executivo, a empresa tem interesse em aumentar as pesquisas no País porque as condições climáticas e as espécies dos insetos são semelhantes a de outras regiões de clima quente, como a Índia. A Mosquitron acompanha os resultados com relatórios analisados por biólogos."Os técnicos prosseguem com as pesquisas para detectar novos odores que atraem os insetos".

Agencia Estado,

28 de novembro de 2002 | 19h21

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.