Marina critica Rússia por não ratificar Protocolo de Kyoto

A ministra do Meio Ambiente, Marina Silva, criticou a Rússia por não ratificar o Protocolo de Kyoto, que prevê metas de redução de emissões de gás carbônico para combater o aquecimento do planeta. "É lamentável que os países que têm maior responsabilidade neste processo se recusem a ratificar o texto", condenou Marina.O apoio da Rússia é fundamental, já que os Estados Unidos, um dos maiores emissores de gases do efeito estufa, retiraram a assinatura do documento. Para entrar em vigor, o protocolo precisa da ratificação de pelo menos 55 países, entre eles, os responsáveis por 55% das emissões de poluição no mundo medidas em 1990.Até agora, 120 países assinaram o documento, mas juntos respondem por apenas 44,2% das emissões de gases do efeito estufa. A Rússia é responsável por 25% das emissões anuais de gás carbônico.Exemplo e constrangimentoIndependente da posição da Rússia, a ministra informa que o Brasil continuará trabalhando para que o protocolo saia do papel. O Brasil, diz a ministra, insistirá na linha do constrangimento ético e da liderança pelo exemplo."Quando estamos assumindo internamente no nosso País o compromisso com relação a meios para a redução do desmatamento, estamos fazendo nosso dever de casa. Agora é claro que os países desenvolvidos precisam, necessariamente, honrar seus compromissos", afirmou a ministra.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.