Marina pede desenvolvimento com respeito ao ambiente

A ministra do Meio Ambiente, Marina Silva, disse nesta terça-feira que um dos grandes desafios do atual governo é fazer a mediação entre o desenvolvimento econômico e o respeito ao meio ambiente."Não se pode aceitar que recursos de milhares e milhares de anos sejam sacrificados para lucro de apenas meia dúzia de anos", alertou, durante cerimônia de posse dos novos integrantes da Comissão de Política e Desenvolvimento Sustentável (CPDS) e da Agenda 21 Brasileira.Integram o conselho 17 representantes da iniciativa privada e do governo. A agenda é um programa de ação mundial para promover um novo padrão de desenvolvimento sustentável, conciliando métodos de proteção ambiental, justiça social e eficiência econômica.A posse faz parte de uma agenda de comemorações da Semana do Meio Ambiente.DificuldadesA ministra lembrou que a grande dificuldade é implementar as recomendações da Agenda 21, conciliando aspectos econômicos, sociais e ambientais. A prioridade são as recomendações locais, com destaque para sugestão de políticas desenvolvidas para os municípios mais pobres do País."Com as empresas, a comunidade científica, movimentos sociais e organizações não-governamentais poderemos criar uma nova fase para o desenvolvimento e preservação dos recursos no País", disse a ministra. A CDPS foi criada em 1997.CríticasA posse da comissão ocorre um dia depois que o presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Carlos Lessa, criticou duramente a área econômica e à política ambiental do País, em palestra para magistrados no Rio.Segundo Lessa, o ?não? dos órgãos ambientais paralisa tanto a economia quanto um ?não? do ministro Palocci. ?Há uma quantidade enorme de projetos que estão paralisados por falta de licença ambiental?, reclamou, citando hidrelétricas, o porto de Santarém e um sistema de transporte hidroviário no Rio Araguaia.?Tem dois rebocadores e quatro barcaças que não podem trafegar no Rio Araguaia porque a margem direita é dos índios?, apontou.Na sua opinião, a legislação ambiental brasileira é ?muito defensiva? e facilita a suspensão de obras. ?Fomos tão ambientalistas que acabamos construindo uma barreira?, avaliou.

Agencia Estado,

01 de junho de 2004 | 16h26

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.