Marte vira "estrela" grande no céu, neste fim de semana

Quem costuma olhar para o céu deve ter reparado que uma ?estrela? vermelha se destaca. Não se trata de uma estrela, mas do planeta Marte, que está mais perto da Terra nesses dias.O ápice desta aproximação ocorre na madrugada de sábado para domingo, mais precisamente à 1h19 (horário de Brasília). Neste momento, o planeta se apresenta como um ponto brilhante e avermelhado a olho nu - só perde em visibilidade para outro planeta, Vênus.?É como uma estrela grande que não pisca?, explica o astrônomo João Luiz Kohl Moreira, do Observatório Nacional, no Rio.Segundo ele, basta olhar para cima: o planeta estará quase no centro do céu, um pouco mais para o oeste. Com binóculos, será possível vê-lo com mais nitidez. Com telescópios, os observadores poderão identificar os pólos norte e sul, brilhantes, além de grandes marcas escuras na superfície e tempestades de areia.Os dois planetas passam perto um do outro a cada dois anos e dois meses. Isso porque suas órbitas são elípticas e a Terra gira mais rápido ao redor do Sol do que Marte. Só que, como o formato das órbitas é diferente, a distância nunca é a mesma.O último encontro, em 2003, foi especialmente marcante: a distância foi de 55,8 milhões de quilômetros, a menor em 60 mil anos.Neste ano, a distância é um pouco maior: 69 milhões de quilômetros, cerca de um terço da média entre a Terra e Marte (225 milhões de quilômetros), ou menos de quatro minutos de distância na velocidade da luz.Ainda assim, será o menor espaço entre os dois planetas pelos próximos 13 anos e uma boa oportunidade para ver o planeta vermelho no céu - desde que o tempo ajude. ?Tão logo se faça noite, será possível identificá-lo?, diz Moreira.A visualização é possível porque o Sol estará atrás da Terra, formando uma linha reta entre os três corpos celestes, chamada oposição. Em todos os países será possível aproveitar a aproximação de Marte.Em solo marciano a observação da Terra será feita - se não por seres extraterrestres, pelos robôs Spirit e Opportunity, da Nasa. Os técnicos esperam conseguir uma imagem do planeta azul, que deve aparecer como um ponto no céu claro de Marte.Outro fator que faz com que a aproximação deste ano seja especial é o fato de os dois satélites naturais marcianos, Fobos e Deimos, estarem cada um de um lado do planeta. Com equipamentos mais potentes, os astrônomos profissionais e amadores poderão observar as duas luas.Até o final do mês, Marte ainda estará bastante visível no céu.

Agencia Estado,

28 de outubro de 2005 | 20h29

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.