Mata Atlântica garante água para 120 milhões de brasileiros

Mesmo degradados e continuamente corroídos por desmatamentos ilegais, os últimos remanescentes de Mata Atlântica ainda garantem a água de abastecimento de 120 milhões de brasileiros, na extensa faixa leste do país, responsável por 70% do PIB.Boa parte dos rios que nascem em tais remanescentes deve a qualidade de suas águas à existência da floresta, sobretudo nas áreas de relevo acidentado, onde a retirada da vegetação nativa significa acelerar processos de erosão e deterioração ou ressecamento de nascentes. Documento coletivoEste valioso serviço ambiental prestado pela mata, no entanto, nem sempre é conhecido ou reconhecido. Por isso, ambientalistas e pesquisadores prepararam o documento coletivo Águas e Florestas da Mata Atlântica: por uma gestão integrada, no qual reúnem informações e propostas, com o objetivo de subsidiar a integração das políticas de gestão de recursos hídricos e florestais na Mata Atlântica e iniciar um grande programa de conservação e recuperação destes recursos, com apoio da sociedade brasileira.A publicação será lançada na próxima sexta-feira, 21 de março, durante o evento Água e Florestas, promovido pela Secretaria Estadual de Meio Ambiente e pelo Conselho Nacional da Reserva da Biosfera da Mata Atlântica (CN-RBMA), em São Paulo.Compartimentalização?Quando se discutem políticas de gestão, há uma forte compartimentalização, mesmo entre especialistas em meio ambiente: quem trabalha com a gestão de recursos hídricos está muito empenhado em resolver os problemas quantitativos através de obras hidráulicas, e os problemas qualitativos através de saneamento, esquecendo a função das florestas como produtoras de água, em quantidade e com qualidade. E o inverso também é verdadeiro: quem faz a gestão de recursos florestais costuma pensar na biodiversidade, mas desconhece a legislação dos recursos hídricos ou até a biodiversidade dos ecossistemas aquáticos?, afirma a socióloga e especialista em gestão ambiental, Heloísa Dias, gerente nacional do programa Água e Florestas da Mata Atlântica.Criado em 2000, o programa é uma parceria do CN-CBMA e da Fundação SOS Mata Atlântica, com o apoio do Ministério do Meio Ambiente e outros órgãos governamentais e entidades não governamentais. Entre suas prioridades está a capacitação de gestores, tanto no setor florestal como no setor hídrico, para integrar a estreita relação entre a conservação das águas e das florestas.?Queremos levar a conservação das florestas para discussão nos comitês gestores de bacias hidrográficas e dar prioridade a projetos de recomposição florestal e revegetação, que também conservem as águas?, continua Heloísa.Replantio Assim, serão enfatizados os projetos de replantio de florestas em áreas consideradas importantes para a recarga de aqüíferos, por exemplo, ou para a formação de corredores ecológicos. ?Além dos técnicos e gestores, queremos envolver a população nesse programa, mostrando que a água não é só uma commodity e está intimamente relacionada às florestas. A sociedade pode valorizar ambos os recursos participando dos fóruns existentes, dos comitês de bacias e outros colegiados, interferindo nesta gestão articulada.?

Agencia Estado,

18 de março de 2003 | 18h27

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.