Laurence de Terline/Divulgação
Laurence de Terline/Divulgação

Matemático brasileiro recebe na França prêmio por pesquisas

Marcelo Viana foi agraciado com o prêmio da Fundação Louis D., do Institut de France, pelo conjunto de suas pesquisas sobre sistemas dinâmicos

Andrei Netto, CORRESPONDENTE / PARIS

08 Junho 2016 | 19h43

PARIS - O matemático brasileiro Marcelo Viana, de 54 anos, recebeu nesta quarta-feira, 8, em Paris o Grande Prêmio Científico Louis D., um dos mais importantes do meio científico da França e do mundo. A distinção foi feita em uma cerimônia de duas horas no prestigioso Institut de France, onde o professor carioca e diretor-geral do Instituto de Matemática Pura e Aplicada (Impa) foi um dos 10 acadêmicos homenageados.

Viana foi agraciado com o prêmio científico da Fundação Louis D. pelo tema "Geometria, geometria algébrica, geometria diferencial, sistemas dinâmicos". A comenda foi entregue por Jean-Michel Bony, membro da Academia de Ciências da França, aos dois vencedores – além de Viana, o francês François Labourie, da Universidade Nice-Sophia Antipolis, da cidade de Nice –, que dividirão o prêmio de € 450 mil. O valor será reinvestido no financiamento de programas de pesquisa.

"Marcelo Viana é um matemático de primeiríssimo nível. São incontáveis as distinções internacionais que já recebeu", afirmou Bony, enumerando prêmios recebidos em universidades do Brasil, do Chile e de Portugal. "Há cerca de 30 anos, a matemática brasileira de sistemas dinâmicos está entre as melhores do mundo, e o professor Viana, evidentemente, contribuiu muito para isso." 

Na apresentação, o acadêmico destacou ainda a formação de "uma equipe franco-brasileira de alto nível" no Impa, instituto que tem cooperação direta com o Centro Nacional de Pesquisa Científica (CNRS), da França. "O professor Viana constituiu uma equipe franco-brasileira de alto nível. Não tenho dúvidas de que o projeto de cooperação contribuirá de forma importante para a melhor compreensão dos sistemas dinâmicos", afirmou.

Viana recebeu o prêmio pelo conjunto de sua obra sobre sistemas dinâmicos, ramo da matemática voltado ao estudo de fenômenos que se desenvolvem ao longo do tempo. As equações matemáticas permitem compreender a dinâmica em áreas como ecossistemas, movimentos planetários, tempo, trânsito, entre inúmeras outras. 

A distinção foi a segunda grande premiação da matemática brasileira em dois anos. Em 2014, o brasileiro Artur Avila, também pesquisador do Impa, havia recebido a medalha Fields, a mais importante da área no mundo. "A medalha Fields foi uma distinção ao Artur, ao seu talento. Mas não foi só isso. O Artur foi o primeiro laureado da medalha Fields que nasceu, cresceu e foi educado em um país em desenvolvimento", exemplificou Viana. "Quando ele ganha a medalha é um reconhecimento ao talento incomum que ele tem, mas é também um reconhecimento à nossa capacidade para descobrirmos e cuidarmos desses talentos."

Para Viana, as distinções são fruto direto do aperfeiçoamento da pesquisa científica na área e aos resultados alcançados pelo Impa. "É o resultado de décadas de trabalho muito sério, de muito rigor científico, e também o fato de que o Impa está expandindo a sua missão", avaliou o diretor-geral. 

Para o cientista, a matemática brasileira está mudando de nível, e deve alcançar em breve o grupo de países mais desenvolvidos do mundo na área. "Na União Matemática Internacional há uma classificação de países em cinco grupos. O Brasil começou em 1954 no grupo 1, que é o mais baixo. Vai-se subindo à medida em que a pesquisa vai se desenvolvendo no país", explicou. "Atualmente estamos no grupo 4, há 11 anos. Claro que queremos passar para o grupo 5, onde nos juntaremos à elite de países mais avançados. E eu acho que isso vai acontecer daqui a pouco."

Mesmo crítico da precariedade do ensino da matemática no Brasil e da instabilidade das políticas públicas, em especial no Ministério da Ciência e Tecnologia – agora extinto e fundido com o das Comunicações –, Viana se diz otimista e projeta o crescimento de sua área de estudos no Brasil nos próximos dois anos.

Em julho de 2017 o Brasil vai receber a Olimpíada Internacional de Matemática. Em agosto de 2018, será a vez do Congresso Internacional de Matemáticos, o maior da área no mundo, ser realizado no país. Nesse evento que são concedidas as medalhas Fields.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.