Laurence de Terline/Divulgação
Laurence de Terline/Divulgação

Matemático brasileiro recebe na França prêmio por pesquisas

Marcelo Viana foi agraciado com o prêmio da Fundação Louis D., do Institut de France, pelo conjunto de suas pesquisas sobre sistemas dinâmicos

Andrei Netto, CORRESPONDENTE / PARIS

08 de junho de 2016 | 19h43

PARIS - O matemático brasileiro Marcelo Viana, de 54 anos, recebeu nesta quarta-feira, 8, em Paris o Grande Prêmio Científico Louis D., um dos mais importantes do meio científico da França e do mundo. A distinção foi feita em uma cerimônia de duas horas no prestigioso Institut de France, onde o professor carioca e diretor-geral do Instituto de Matemática Pura e Aplicada (Impa) foi um dos 10 acadêmicos homenageados.

Viana foi agraciado com o prêmio científico da Fundação Louis D. pelo tema "Geometria, geometria algébrica, geometria diferencial, sistemas dinâmicos". A comenda foi entregue por Jean-Michel Bony, membro da Academia de Ciências da França, aos dois vencedores – além de Viana, o francês François Labourie, da Universidade Nice-Sophia Antipolis, da cidade de Nice –, que dividirão o prêmio de € 450 mil. O valor será reinvestido no financiamento de programas de pesquisa.

"Marcelo Viana é um matemático de primeiríssimo nível. São incontáveis as distinções internacionais que já recebeu", afirmou Bony, enumerando prêmios recebidos em universidades do Brasil, do Chile e de Portugal. "Há cerca de 30 anos, a matemática brasileira de sistemas dinâmicos está entre as melhores do mundo, e o professor Viana, evidentemente, contribuiu muito para isso." 

Na apresentação, o acadêmico destacou ainda a formação de "uma equipe franco-brasileira de alto nível" no Impa, instituto que tem cooperação direta com o Centro Nacional de Pesquisa Científica (CNRS), da França. "O professor Viana constituiu uma equipe franco-brasileira de alto nível. Não tenho dúvidas de que o projeto de cooperação contribuirá de forma importante para a melhor compreensão dos sistemas dinâmicos", afirmou.

Viana recebeu o prêmio pelo conjunto de sua obra sobre sistemas dinâmicos, ramo da matemática voltado ao estudo de fenômenos que se desenvolvem ao longo do tempo. As equações matemáticas permitem compreender a dinâmica em áreas como ecossistemas, movimentos planetários, tempo, trânsito, entre inúmeras outras. 

A distinção foi a segunda grande premiação da matemática brasileira em dois anos. Em 2014, o brasileiro Artur Avila, também pesquisador do Impa, havia recebido a medalha Fields, a mais importante da área no mundo. "A medalha Fields foi uma distinção ao Artur, ao seu talento. Mas não foi só isso. O Artur foi o primeiro laureado da medalha Fields que nasceu, cresceu e foi educado em um país em desenvolvimento", exemplificou Viana. "Quando ele ganha a medalha é um reconhecimento ao talento incomum que ele tem, mas é também um reconhecimento à nossa capacidade para descobrirmos e cuidarmos desses talentos."

Para Viana, as distinções são fruto direto do aperfeiçoamento da pesquisa científica na área e aos resultados alcançados pelo Impa. "É o resultado de décadas de trabalho muito sério, de muito rigor científico, e também o fato de que o Impa está expandindo a sua missão", avaliou o diretor-geral. 

Para o cientista, a matemática brasileira está mudando de nível, e deve alcançar em breve o grupo de países mais desenvolvidos do mundo na área. "Na União Matemática Internacional há uma classificação de países em cinco grupos. O Brasil começou em 1954 no grupo 1, que é o mais baixo. Vai-se subindo à medida em que a pesquisa vai se desenvolvendo no país", explicou. "Atualmente estamos no grupo 4, há 11 anos. Claro que queremos passar para o grupo 5, onde nos juntaremos à elite de países mais avançados. E eu acho que isso vai acontecer daqui a pouco."

Mesmo crítico da precariedade do ensino da matemática no Brasil e da instabilidade das políticas públicas, em especial no Ministério da Ciência e Tecnologia – agora extinto e fundido com o das Comunicações –, Viana se diz otimista e projeta o crescimento de sua área de estudos no Brasil nos próximos dois anos.

Em julho de 2017 o Brasil vai receber a Olimpíada Internacional de Matemática. Em agosto de 2018, será a vez do Congresso Internacional de Matemáticos, o maior da área no mundo, ser realizado no país. Nesse evento que são concedidas as medalhas Fields.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.