Maternidades de São Paulo limitam acesso de doulas durante parto

Hospitais inviabilizam entrada de acompanhantes que oferecem suporte emocional às mães

Mariana Lenharo , O Estado de S. Paulo

24 Janeiro 2013 | 17h51

SÃO PAULO - O Hospital e Maternidade Santa Joana e a Maternidade Pro Matre, ambas do Grupo Santa Joana, limitaram o número de acompanhantes da gestante durante o parto para apenas uma pessoa. Na prática, a medida, que passou a valer a partir de 21 de janeiro, restringiu o acesso das doulas ao hospital. Doulas são profissionais que acompanham as gestantes antes, durante e depois do parto, oferecendo suporte emocional às mães.

Esta semana, uma comunicação interna do Grupo Santa Joana, que informava que a entrada de doulas não seriam mais autorizada nas duas instituições a partir do dia 21, foi reproduzida nas redes sociais por ativistas que defendem o parto humanizado. De acordo com a assessoria de imprensa do Grupo Santa Joana, a comunicação não deve ser levada em consideração, por se tratar de um "erro de comunicação interna".

A instituição afirma que a limitação do número de acompanhantes "visa, exclusivamente, manter os menores índices de infecção hospitalar das maternidades" e que "a própria gestante determinará quem a acompanhará no Centro Obstétrico, podendo sim ser sua doula, caso seja solicitado".

Mais conteúdo sobre:
Maternidades parto doulas acesso restrição

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.