Reuters
Reuters

Remédio em estudos mostra efeito promissor contra o Alzheimer

Testes mostram que nova droga em desenvolvimento pode reduzir progressão da doença em 34%; ensaios prosseguirão até 2016

Fábio de Castro, O Estado de S. Paulo

23 Julho 2015 | 09h00

SÃO PAULO - A empresa farmacêutica Eli Lilly divulgou os primeiros resultados de testes clínicos com uma nova droga, chamada solanezumab, que pode reduzir a taxa de progressão da doença de Alzheimer em um terço. Os dados foram divulgados nesta quarta-feira, 22, pela empresa na Conferência da Associação Internacional de Alzheimer, em Washington, nos Estados Unidos. Em 2016, a empresa deverá realizará novos testes clínicos que poderão indicar vidências definitivas sobre o funcionamento da nova droga. Hoje ainda não existem medicamentos capazes de deter a morte de neurônios causada pelo Alzheimer, mas o solanezumab poderá manter essas células vivas, segundo os cientistas da empresa.

Segundo os cientistas da Eli Lilly, os medicamentos atuais usados contra o Alzheimer atuam apenas sobre os sintomas da demência, auxiliando o funcionamento das células que estão morrendo. Mas o solanezumab ataca as proteínas deformadas conhecidas como amiolóides, que se acumulam no cérebro quando a doença ocorre. Os cientistas acreditam que a formação de placas pegajosas de amiolóide entre os neurônios podem causar danos e eventualmente matar as células nervosas.

De acordo com o diretor dos Laboratórios de Pesquisa Lilly, Eric Siemers, os testes deram pistas de que a droga funciona para pacientes em estágios iniciais de Alzheimer, reduzindo a progressão da doença em 34%. "É mais uma prova de que o solanezumab tem um efeito na patologia subjacente da doença. Acreditamos que há uma chance de que o solanezumab será a primeira medicação disponível que modifica a doença", acrescentou.

Ao longo do tempo, diversas empresas desenvolveram ensaios com drogas que parerciam inicialmente promissoras, mas que falharam ao tentar uma redução significativa da deterioração da memória e de outras tarefas cognitivas comprometidas em pacientes com a doença.  Caso seja aprovada em testes clínicos futuros, a droga da Eli Lilly poderá ser a primeira a reduzir a progressão do Alzheimer. Mas a droga já fracassou em todos os estudos anteriores.

Dois amplos testes clínicos realizados em 2012 falharam e não foi possível demonstrar diferenças entre a ação da droga e a de um placebo. Os cientistas da empresa, no entanto, mantiveram as esperanças, porque o solanezumab supostamente freou o declínio cognitivo em pacientes com uma forma atenuada da doença. A empresa decidiu reiniciar novos testes clínicos em 2013, com previsão para conclusão no fim de 2016.

Mais conteúdo sobre:
AlzheimerEli Lilly

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.