Médicos alertam para ´sofrimento´ em gravidez tardia

Mulheres que esperam para ter filhos depois dos 35 anos estão desafiando a natureza e correm o risco de passar por um grande sofrimento. É o que afirmam especialistas em fertilidade na publicação médica British Medical Journal.Os obstetras se disseram "tristes" com o crescente número de mulheres que apresentam problemas por causa disso e dizem que a melhor idade para ter filhos continua sendo entre os 20 e os 35. Eles alertam que problemas de fertilidade são mais comuns depois dos 35 anos e aumentam dramaticamente após os 40.Aborto e anomaliasSegundo o artigo, "paradoxalmente, a disponibilidade da fertilização in vitro estimula a infertilidade das mulheres, porque elas esperam pelo parceiro ideal e se concentram nas suas carreiras e em atingir segurança e um padrão de vida confortável".Os especialistas afirmam que a fertilização in vitro está longe de ser infalível, tendo um alto índice de fracasso e riscos extras de gravidez múltipla quando é bem-sucedida. Quando uma mulher mais velha fica grávida, existe um risco maior de aborto, anomalias fetais e de cromossomos, além de doenças relacionadas à gravidez.Também existem problemas para os homens que esperam muito para ter filhos, já que o sêmen pode deteriorar com a idade, dizem os autores do artigo.Desinformação"As mulheres querem ´ter tudo´, mas a biologia não mudou", diz a obstetra Susan Bewley, uma das autoras do artigo."O adiamento pode ser causado por desestímulo da gravidez precoce ou por uma resistência à geração de uma criança, já que, apesar das vantagens adquiridas pelo movimento feminista e pelas leis de igualdade de direitos, as mulheres continuam se ocupando com as tarefas domésticas, ao lado das responsabilidades financeira e de trabalho", afirma a especialista."Nós estamos tristes porque estamos lidando com pessoas que não conseguem engravidar ou estão tendo complicações. Muitas mulheres que brincam de ´roleta russa´ se salvam, mas eu vejo as vítimas", afirma Bewley, que trata de mulheres que têm gravidez de alto risco."Os médicos e os profissionais de planejamento familiar precisam encarar esta ameaça como um problema de saúde pública e ajudar as mulheres a atingir a gravidez biológica ideal."

Agencia Estado,

16 de setembro de 2005 | 17h23

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.