Médicos criam método que congela tumor de pulmão

Médicos da Grã-Bretanha afirmam ter obtido bons resultados ao tratar casos de câncer de pulmão por meio de uma técnica de congelamento dos tumores. Os médicos do Hospital Harefield, em Middlesex, utilizaram uma sonda especial que transforma o tumor pulmonar numa bola de gelo.O tratamento foi testado em 16 pacientes com sucesso. Sete deles foram operados há mais de um ano e continuam livres da doença.O tratamento mais freqüente costuma ser a remoção do tumor por meio de um corte, mas tal procedimento nem sempre é possível, sobretudo no caso de pacientes em estado fragilizado.CriocirurgiaSegundo Omar Maiwand, cirurgião que liderou as operações, apenas na Grã-Bretanha pelo menos 2 mil pacientes de câncer de pulmão podem ser beneficiados anualmente pelo novo procedimento."A remoção do pulmão é o tratamento escolhido para pacientes em estágios iniciais de câncer pulmonar", disse ele. "Entretanto, para cerca de 20% desses pacientes a remoção do pulmão atingido não é possível, porque isso os deixa com graves problemas respiratórios e baixa qualidade de vida."No método utilizado, chamado de criocirurgia, os médicos fazem um corte de cerca de 12 cm no peito para que a sonda possa atingir diretamente o tumor. O tecido do tumor é resfriado com nitrogênio líquido e depois se dissolve dentro do corpo num período de três a seis meses.Os especialistas acham que isso não traz riscos de metástase - até agora os resultados foram bons.RecuperaçãoA cirurgia é menos invasiva que o método convencional, e o tempo de recuperação costuma ser menor - pacientes tratados com a criocirurgia podem voltar para casa após quatro dias.A criocirurgia não é um método novo, já tendo sido aplicado em outros órgãos e tecidos do corpo. Mas a equipe da Grã-Bretanha acredita ter sido a primeira a aplicar o procedimento ao câncer de pulmão.O especialista da organização Cancer Research UK, Siow Ming Lee, afirma, porém, que ainda é cedo para que o método seja confirmado como uma prática segura."Este é um estudo pequeno e mais estudos são necessários para esclarecer o papel da criocirurgia direta em comparação com o procedimento convencional de radioterapia e quimioterapia", afirmou ele.

Agencia Estado,

24 de outubro de 2005 | 10h56

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.