Menos perdas, mais escola

A eliminação de atoleiros e valetas de erosão, nas estradas vicinais de Botucatu, no interior de São Paulo, não se traduziu apenas na redução da perda de solo fértil para a Colônia Santa Marina, de origem japonesa. Significou também menos perdas na comercialização de frutas ? o principal produto agrícola dos 42 produtores, que integram a cooperativa local ? e até mais aulas para seus filhos.No ano passado, na estação das chuvas, o produtor Yasunori Nomura deixou de ganhar cerca de R$ 4 mil reais na comercialização de ameixas, porque o caminhão, que as transportava, atolou duas vezes na estrada e um dia inteiro se passou na tentativa de seguir viagem. As frutas perderam qualidade e foram vendidas pela metade do preço. ?Isso era comum antes, praticamente todo ano se perdia preço por causa de atoleiro?, comenta Nomura. ?Agora a estrada melhorou 100%, inclusive para o ônibus da escola: as crianças estão até enjoadas com tanta aula, todos os dias, sem falta?.Em sua propriedade, adquirida há 27 anos, Nomura já plantou tomate, cenoura e alho, todas culturas que mexem muito com a terra e estão sujeitas à erosão. Há 8 anos, começou a trabalhar com frutíferas e já tira 30 mil caixas anuais de ameixa, tendo iniciado, recentemente, um pomar de maçãs e outro de caquis. Aos poucos, com a assessoria técnica da Casa da Agricultura e de especialistas contratados pela cooperativa, foi deixando de retirar a vegetação entre as fileiras de pés de fruta, passando apenas a cortá-la. Este ano, pela primeira vez, está experimentado a adubação verde, com sementes ?emprestadas? pela assistência técnica, que ele terá de devolver no final do ciclo, em espécie, na mesma quantidade retirada. A adubação verde é uma das práticas complementares às medidas de conservação de solo, que visam reduzir a erosão também dentro das propriedades agrícolas, de forma a integrar os esforços feitos nas estradas vicinais e, nas microbacias, junto a nascentes e margens de rios e riachos.

Agencia Estado,

03 de fevereiro de 2003 | 09h03

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.