Mesmo com crise, Europa pensa em investir em agência espacial

ESA apresentou planos, entre eles uma sonda robótica em Marte e satélites monitorando mudança climática

AP

25 de novembro de 2008 | 21h13

A agência espacial européia (ESA) começou nesta terça-feira, 25, a planejar os custos de um ambicioso plano de missões futuras, incluindo uma sonda robótica em Marte e satélites monitorando a mudança climática.   Na quarta-feira, 26, ministros de 18 países que fazem parte da ESA devem concluir dois dias de conversas sobre a divisão da conta de US$13,28 bilhões em projetos que a agência está planejando para os próximos anos.   O encontro em Haia veio em um tempo de crise econômica e aumentou a competição de países emergentes.   Mas a negociadora chefe da França, Ministra de Pesquisas Valerie Pecresse, disse que ministros estão determinados a continuar mandando dinheiro para a pesquisa espacial, apesar dos problemas financeiros.   "Nós realmente queremos investir no futuro, e pensamos que investir em programas de longo prazo é a única resposta para a crise", disse.   O diretor geral da agência disse que as conversas progrediram bem. "Estamos no caminho certo até agora", disse Jean-Jacques Dordain.   Pecresse disse que a França e a Alemanha - os maiores apoios financeiros da ESA - ainda estão em negociação sobre como financiar os experimentos da agência na Estação Espacial Internacional (ISS).   A Alemanha defendeu durante muito tempo o envolvimento da Europa em uma estação que orbitasse a Terra, enquanto as prioridades da França se voltaram mais para o programa de lançamento de foguetes da ESA, o Ariane 5, e no que Pecresse chamou de programas espaciais para pessoas - como monitorar a mudança climática e satélites climáticos.   Os projetos para o futuro da agência incluem um satélite global de navegação chamado de Galileu e outro sistema de satélites chamado de Monitoramento Global para o Meio ambiente e Segurança. Eles também pretendem desenvolver uma nova versão do bem sucedido Ariane 5 e um explorador robótico a ser mandado para Marte.

Tudo o que sabemos sobre:
ESAespaçociência

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.