Metade da população mundial sob risco de desastres

Um relatório do Banco Mundial e do Instituto da Terra, da Universidade de Colúmbia (EUA), apontou que as regiões do mundo mais expostas a perigos naturais concentram mais da metade da população do planeta. Cerca de 3,4 bilhões de pessoas vivem em áreas onde pelo menos um desastre natural pode afetar gravemente suas vidas.Mais de 600 desastres naturais ocorrem por ano no mundo e deixam milhares de mortos e milhões de dólares em perdas, relata a agência Efe. Aproximadamente 90 países têm mais de 10% de sua população em áreas com alto risco de mortalidade associada a dois ou mais riscos naturais, segundo o relatório.Pesquisadores da Universidade de Colúmbia, do Banco Mundial e do Instituto Geotécnico da Noruega, entre outros, estudaram durantequatro anos o risco econômico e para a população de secas extremas, inundações, vulcões, ciclones, deslizamentos de terras e terremotos.O documento também ressalta que Taiwan pode ser considerado o lugar da Terra mais vulnerável a perigos naturais, já que 73% de sua população e território estão expostos a três ou mais dos seis fenômenos analisados.Em Burundi, Bangladesh, República Dominicana, Haiti, Honduras e El Salvador, entre outros países, mais de 90% da população vive emáreas de alto risco de morte devido aos efeitos de dois ou mais perigos naturais.Os pesquisadores ressaltaram que a vulnerabilidade está geralmente associada ao baixo nível de desenvolvimento econômico.Jeffrey Sachs, diretor do Instituto da Terra, apresentou o estudo e alertou para a necessidade de políticas que, definitivamente, contribuam para o desenvolvimento das regiões com maior risco."Depois do tsunami (o maremoto ocorrido no Oceano Índico em dezembro) falou-se muito de sistemas de avisos preventivos, mas isso é só uma pequena parte de um problema mais amplo", disse.

Agencia Estado,

30 de março de 2005 | 11h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.