<img height="1" width="1" style="display:none" src="https://www.facebook.com/tr?id=1659995760901982&amp;ev=PageView&amp;noscript=1">

Metais pesados contaminam Lagoa Rodrigo de Freitas

Uma pesquisa revelou que o fundo da Lagoa Rodrigo de Freitas está contaminado com metais pesados e hidrocarbonetos aromáticos polinucleares, substâncias químicas derivadas de óleos lubrificantes e do petróleo e que podem ser cancerígenas.A suspeita é de que a poluição, que está acima dos níveis recomendados e pode chegar aos peixes, siris e caranguejos, esteja sendo provocada pelos postos de gasolina da região. Mas os veículos também podem ser vilões.As amostras de sedimento colhidas do fundo atestaram a presença de níquel, chumbo, zinco e cobre.A constatação foi feita depois da análise de sedimentos recolhidos em seis pontos da Lagoa no período de dois anos. A primeira pesquisa foi feita há dois anos pelo Departamento de Oceanografia e Hidrologia da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ) e constou de uma monografia.Complementando o estudo, especialistas da Comissão de Meio Ambiente da Assembléia Legislativa do Rio (Alerj), analisaram em março deste ano cinco dos seis pontos escolhidos pela UERJ e detectaram, em quatro locais, a existência dos hidrocarbonetos.Considerado o mais nocivo deles, o benzo-a-pireno, pode causar câncer, necrose de fígado e arritmias cardíacas. No ponto chamado T3 da lagoa (o mais poluído), na altura da Fonte da Saudade, uma amostra detectou 378 microgramas/kg da substância, quando o recomendado pelo ISQG (referência canadense para ambientes marinhos) é 88,8 microgramas/kg. Apesar da contaminação, o médico Luiz Roberto Tenório, professor da UERJ e subsecretário de Saúde de Niterói (Grande Rio), disse quenão há motivo para pânico.?Como essas substâncias estão no fundo, no momento, não há risco para a população. Mas, se nada for feito, o acúmulo dos metais pesados e dos hidrocarbonetos pode contaminar os peixes e afetar os pescadores e atletas que freqüentam a lagoa?, informou ele, que participou do estudo da Alerj.Para o professor Marcos Fernandez, do Departamento de Oceanografia e Hidrologia da UERJ, os veículos também podem contribuir para a poluição, principalmente os de motor a diesel. Ele explicou que partículas da fumaça preta liberada pelos veículos ficam na beira da lagoa e são arrastadas para a água quando chove.

Agencia Estado,

19 de abril de 2005 | 10h09

Selecione uma opção abaixo para continuar lendo a notícia:
Já é assinante Estadão? Entrar
ou
Não é assinante?
Escolha o melhor plano para você:
Sem compromisso, cancele quando quiser
Digital Básica
R$
0, 99
/ mês
No primeiro mês
R$ 8,90/mês a partir do segundo mês
  • Portal Estadão.
  • Aplicativo sem propaganda.
Digital Completa
R$
0, 99
/ mês
No primeiro mês
R$ 18,90/mês a partir do segundo mês
Benefícios Digital Básica +
  • Acervo Estadão 146 anos de história.
  • Réplica digital do jornal impresso.
Impresso + Digital
R$
20, 90
/ mês
No primeiro ano
R$ 56,90/mês a partir do segundo ano
Benefícios Digital Completa +
  • Jornal impresso aos finais de semana.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.