Metais preciosos podem ter chegado à Terra em meteoros

Comparação da abundância de metais na crosta e em meteoritos sugere uma origem comum, diz cientista

da Redação,

22 de setembro de 2008 | 15h25

Alguns dos metais mais preciosos e raros do mundo, como platina ou irídio, podem dever sua presença na crosta terrestre a meteoritos, fragmentos de um grande número de asteróides que passou por transformações importantes nos primórdios do Sistema Solar.   O pesquisador Gerhard Schmidt, da Universidade de Mainz, na Alemanha, calcula que cerca de 160 asteróides metálicos de cerca de 20 km de diâmetro bastariam para fornecer a concentração conhecida desses metais na crosta do planeta. Schmidt apresentou suas descobertas a respeito nesta segunda-feira, 22, no Congresso Europeu de Ciência Planetária, realizado em Munster.   "Uma questão chave para compreender a origem dos planetas é conhecer a abundância desses metais nas crostas e no manto da Terra, Marte e Lua", disse ele, em nota divulgada pela organização do congresso. "Descobrimos distribuições de abundância notavelmente uniformes em nossas amostras da crosta superior da Terra. Uma comparação desses valores com meteoritos sugerem uma fonte   cósmica".   Ao longo de 12 anos, o cientista analisou as concentrações desses metais em pontos de impacto de meteoritos pelo mundo, além de amostras originárias da Terra. Também foram feitas comparações com rochas lunares trazidas por astronautas e com meteoritos de origem marcianas.   Embora esses metais estivessem presentes na nebulosa que deu origem à Terra, o aquecimento ocorrido na origem do planeta fez com que os metais mais pesados se separassem da rocha mais leve, de silício, que deu origem à crosta e mergulhassem no núcleo. Cientistas acreditam que os metais como platina encontrados na crosta hoje em dia foram implantados por impactos de meteoritos ocorridos mais tarde.

Tudo o que sabemos sobre:
meteorometeoritoplatinairídio

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.