Meteorito cai nos EUA e provoca briga judicial por sua posse

Justiça da Virgínia decidirá se descobridor ou dono do imóvel onde objeto caiu terá direito à propriedade

Associated Press,

03 Fevereiro 2010 | 15h11

Pesquisador do Instituto Smithsonian do Museu de História Natural exibe o meteorito que caiu na Virginia

 

WASHINGTON - Um meteorito tornou-se o centro da discussão sobre quem tem o direito de posse de objetos que caem na terra vindo do espaço. No dia 18 de janeiro, um meteorito do tamanho de uma bola de tênis caiu sobre o teto de um consultório médico no estado de Virgínia, nos Estados Unidos. Agora a posse do objeto espacial é disputada pelo médico que trabalha na clínica e o proprietário do imóvel onde está instalado o centro médico.

 

Veja também:

linkSudão prende europeus por suposto roubo de asteroide 

 

"Era para eu estar sentado justamente no local onde o meteorito caiu na clínica. Acho que apenas não era o meu momento (de morrer), eu suponho", disse o Dr. Marc Gallini, que encontrou o pedaço de meteoro após ele atravessar o telhado da sala de exames da clínica.

 

Gallini e seu sócio, Dr. Frank Ciampi, disseram que a primeira ideia foi de doar o raro objeto espacial para o Instituto Smithsonian, que ofereceu US$ 5 mil pela peça.

 

Mas depois de alguns dias, Gallini e Ciampi receberam um e-mail de Erol Mutlu, proprietário do imóvel onde a clínica médica está instalada, no qual ele avisa que iria buscar o meteorito no Instituto Smithsonian, que possui a maior coleção de meteoritos do mundo.

 

Segundo o jornal Washington Post, Erol Mutlu havia escrito no e-mail que "era evidente que o meteorito pertencia ao proprietário do local onde ele caiu, e que a justiça dos Estados Unidos determinava isso". Após a divulgação do e-mail, p irmão de Erol, Deniz Mutlu, afirmou que sua família não havia decidido ainda sobre o que fazer em relação ao meteorito e que consideram que o objeto estava seguro no Instituto Smithsonian.

 

Os médicos decidiram contratar um advogado e instruíram a Instituto Smithsonian a não liberarem o meteorito até que a questão da posse seja solucionada. "Nós só queremos que o meteorito fique no lugar que achamos que é certo", disse Gallini. Os médicos planejam doar o dinheiro oferecido pelo Instituto Smithsonian para um programa de apoio às vítimas do terremoto no Haiti.

 

Devido aos altos valores pagos no mercado de colecionadores, os meteoritos têm sido objeto de disputa judicial desde o início do século passado, quando a Suprema Corte do estado de Oregon decidiu que um meteorito de 15 toneladas pertencia ao proprietário do local onde ele caiu e não à pessoa que o encontrou.

 

Até esta terça-feira, os proprietários do imóvel onde fica a clínica médica não haviam feito nenhum requerimento formal, mas o advogado dos médicos, Dr. Marvin Miller, disse que vai consultar a corte de Virgínia em breve sobre a posse do meteorito. "É a forma mais justa de resolver este problema", disse Miller.

Mais conteúdo sobre:
meteoritoEUAVirginiaposse

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.