Método diferencia com rapidez sementes transgênicas

Um novo método desenvolvido por pesquisadores do Instituto de Química da Universidade Estadualde Campinas (Unicamp) permite diferenciar, com maior rapidez e confiabilidade, sementes de soja natural, transgênica, orgânica ou nativa.Basta uma ou duas sementes para completar o teste, que demora menos de dois minutos. "Não há probabilidade de falha", garantiu o pesquisador e aluno de pós-doutorado Rodrigo Ramos Catharino.Rapidez e confiabilidadeDe acordo com ele, as outras alternativas de teste, por biologia molecular ou seqüência genética, podem indicar o que ele chamou de falso positivo, caso ocorra mistura das sementes com outros cultivos. Catharino explicou, entretanto, que a rapidez é a principal vantagem do novo método.A técnica despertou interesses. Produtores dealgodão e milho entraram em contato com os pesquisadores solicitando que a identificação seja estendida a essas espécies. "Estamos trabalhando nisso", comentou o aluno de pós-doutorado.Ele defende que o método dará maiores garantias a consumidores e agricultores sobre o produto que estão adquirindo.Estrutura molecularPara fazer o teste, a amostra é triturada, misturada a água e álcool. A mistura vai para uma centrífuga simples por um minuto. O material não decantado é injetado em um espectrômetro de massas, que identifica a estrutura molecularda amostra.Os quatro diferentes tipos de sementes têm estruturas moleculares distintas."O resultado é um gráfico que pode ser observado e identificado, de acordo com a semente, por qualquer leigo", disse Catharino.Sem patenteO método não foi patenteado dada a sua simplicidade. "Qualquer laboratório com um espectrômetro pode fazer a avaliação, nãotem como patentear", justificou. Mas o pesquisador comentou que o grupo pretende solicitar credenciamento junto aos Ministérios da Agricultura e da Saúde para proceder as análises e implantar o sistema em laboratórios.O trabalho foi desenvolvido por Catharino, Marcos Nogueira Eberlin e Leonardo Silva Santos.   leia mais sobre transgênicos

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.