Milho transgênico importado dos EUA será queimado

Um lote de 7.400 toneladas de milho americano que foi comprovado como geneticamente modificado seráreexportado ou destruído (incinerado), informou Odilson Ribeiro, diretor do Departamento de Defesa e Inspeção Vegetal (DDIV), do ministério da Agricultura. O ministério cogitou a possibilidade de usar o milho para fabricar papel. Mas a hipótese foi abandonada, pois poderia haver risco para o meio-ambiente.O lote chegou ao País pelo Porto de Itajaí, Santa Catarina. Ribeiro explicou que o Brasil não pode importar milho dos Estados Unidos por questões fitossanitárias. ?Há uma norma para importação de milho americano e a norma diz que o produto só pode vir de áreas livres de Striga spp (uma erva daninha)?, afirmou.?Não adianta apenas os americanos se declararem livres dessa erva-daninha, nós, como compradores, também precisamos dar a eles esse certificado?, afirmou Ribeiro. O diretor disse que o fiscal que liberou a carga no Porto de Itajaí viu o certificado americano e pensou que o lote poderia ser desembarcado. O comprador usaria o milhopara fabricação de glicose e amido.Segundo Ribeiro, não existe a possibilidade deoutros lotes de milho americano terem ingressado no Brasil de forma ilegal. ?Ao entrarno País, os lotes precisam ter o devido registro?, afirmou. Ele lembrou que o milhovendido ao Brasil precisa passar por três tipos de análises: fitossanitária, presença deorganismo geneticamente modificado e análise de microtoxina.

Agencia Estado,

16 de janeiro de 2003 | 20h39

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.