Ministro alemão diz que acordo está próximo em Bali

Acordo pode abandonar menção a meta para 2020, mantendo apenas objetivo de corte de CO2 para 2050

Associated Press,

14 de dezembro de 2007 | 08h59

Um impasse entre União Européia e Estados Unidos caminha para uma solução de compromisso na reunião da ONU sobre a mudança climática, pondo fim à crise gerada pela indefinição de que tipo de objetivo as futuras negociações sobre cortes de gases causadores do efeito estufa devem ter. A informação é do ministro de Meio Ambiente da Alemanha, Sigmar Gabriel.      UE ameaça boicotar acordo de clima dos EUA se Bali fracassar   "Acredito que a situação é favorável e o clima na conferência climática é bom, e nós teremos sucesso no final", disse Gabriel aos jornalistas, sem dar mais detalhes das negociações. O resultado poderá determinar quanto as temperaturas do planeta subirão nas próximas décadas. No último dia da conferência de duas semanas, delegados disputavam o palavreado exato do documento final do encontro até as 2h30 da madrugada. Depois desse horário, os redatores se retiraram para elaborar novos fraseados para as passagens mais polêmicas - notavelmente, a sugestão européia de que incluir o objetivo de um corte de 25% a 40% nas emissões de gases do efeito estufa até 2020, sobre a base de 1990.   Tentando quebrar o impasse, o presidente da conferência, o ministro indonésio Rachmat Witoelar, propôs que o texto final abandonasse essas metas intermediárias, e afirmasse apenas a necessidade de um corte de 50% até 2050. O chefe da ONU para a questão climática, Yvo de Boer, disse que a meta para 2020 estaria "implícita" no objetivo de 2050 - um não será possível sem o outro.   A proposta deu a europeus e aos Estados Unidos - que se recusam a aceitar a inclusão de metas no documento - espaço para negociar, produzindo uma carta relativamente vaga para nortear os debates dos próximos dois anos. O "mapa" elaborado em Bali será o guia das conversações para estabelecer um acordo que sucederá o Protocolo de Kyoto, que deixa de vigorar em 2012.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.