Missão espacial com brasileiro custará US$ 10 milhões

O governo federal vai investir cerca de US$ 10 milhões na primeira viagem de um brasileiro ao espaço, num projeto que, para o presidente da Agência Espacial Brasileira, Sérgio Gaudenzi, aproximará o Brasil do seleto grupo de países do primeiro time da tecnologia espacial.Para Gaudenzi, a missão do astronauta Marcos César Pontes, que deverá passar oito dias na Estação Espacial Internacional (ISS), em março do ano que vem, fará o Brasil "mudar de patamar" no cenário internacional."É um clube muito fechado no mundo. A viagem do primeiro brasileiro ao espaço vai divulgar mais o programa espacial brasileiro do que nós faríamos em anos e anos, sem a viagem. Será um marco no programa. Chegamos a um patamar em que não corremos mais o risco de parar, como aconteceu há alguns anos, por falta de recursos", afirmou Gaudenzi poucas horas depois de desembarcar em Moscou, vindo de uma viagem à Alemanha e à Ucrânia.Nesta segunda-feira o presidente a AEB terá um encontro com o chefe da agência espacial russa (Roskosmos), Anatoli Perminov. Na terça, eles assinarão o contrato da viagem, na presença dos presidentes da Rússia, Vladimir Putin, e do Brasil, Luiz Inácio Lula da Silva, que estará em visita oficial ao país.RigorGaudenzi tem a expectativa de que o tenente-coronel Marcos Pontes, que chegou no início da semana à Rússia, onde fará um rigoroso treinamento até a viagem, possa ir à cerimônia, para encontrar os presidentes Lula e Putin. Tudo dependerá de autorização da rigorosa agência russa.Segundo Gaudenzi, Pontes está "internado" no centro de treinamento da Roskosmos, chamado Cidade das Estrelas, nos arredores de Moscou, e só pode sair nos dias de folga, programados com antecedência."Ele deve treinar até poucos dias antes de ir para a base de Baikonur, no Casaquistão, de onde partirá a nave espacial. É o maior centro de lançamento do mundo. Pontes me prometeu que em três meses estará falando russo", contou Gaudenzi. O astronauta brasileiro viajará com dois colegas russos.TreinamentoO investimento brasileiro na missão do astronauta brasileiro inclui o treinamento na Cidade das Estrelas, uma série de exames médicos necessários antes da viagem espacial, parte dos gastos com o vôo e com a nave espacial russa Soyuz e uma série de seguros obrigatórios.A missão de Pontes é fazer experimentos em um ambiente de gravidade praticamente nula. Ele levará 15 quilos de materiais variados, como óleos combustíveis e substâncias de pesquisa biológica. Dez quilos ficarão no espaço e cinco poderão ser trazidos de volta pelo astronauta, para análises no Brasil."Com nossos foguetes de sondagem, o máximo que conseguimos são experimentos durante sete minutos na microgravidade. Agora, serão oito dias", compara o presidente da AEB.

Agencia Estado,

16 de outubro de 2005 | 22h01

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.