Missão espacial europeia prepara aterrissagem de sonda em cometa

Cientistas europeus farão nesta semana sua primeira tentativa de aterrissar uma sonda sobre a superfície de um cometa, o clímax de um projeto que já dura uma década e busca desvendar alguns dos segredos do universo.

REUTERS

10 Novembro 2014 | 11h28

A espaçonave Rosetta alcançou o cometa 67P/Churyumov-Gerasimenko em agosto. Na terça-feira à noite, a equipe da Agência Espacial Europeia decidirá se vai aprovar o envio da sonda para pousar no cometa. 

Os cometas -corpos celestiais compostos de poeira, gelo e moléculas complexas- são os primórdios do nascimento de nosso sistema solar de 4,6 bilhões de anos. A missão da sonda é juntar amostras do cometa para analisar o desenvolvimento da Terra e de outros planetas. 

“É basicamente uma máquina do tempo que contém pistas da composição do sistema solar”, disse Fred Jansen, diretor da missão Rosetta.

A cápsula de pouso, chamada Philae, deve ser lançada na quarta-feira pela manhã (horário local) para descer à superfície do cometa, em uma manobra que deve durar sete horas. Durante esse tempo, a Philae enviará de volta informações sobre a poeira e sobre os gases que encontrar à medida que se aproxima do cometa. 

O tempo, o ângulo e a velocidade da cápsula são cruciais porque, quando estiver a caminho, não há nada que os cientistas possam fazer para mudar a trajetória.

Isso soma-se aos riscos de um pouso seguro, considerando que a superfície do cometa não é suave para uma aterrissagem, cheio de crateras, penhascos e entulhos do tamanho de casas. 

“Temos que ter um pouco de sorte”, disse o diretor de voo, Andrea Accomazzo.

(Por Victoria Bryan e Maria Sheahan; Reportagem adicional de Irene Klotz, em Cabo Canaveral)

Mais conteúdo sobre:
ESPACO COMETA SONDA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.