Mogno apreendido será doado para projetos sociais

A Procuradoria da República no Pará pediu à Justiça Federal de Santarém que 5.682 toras de mogno - cerca de 15 mil metros cúbicos - apreendidas por fiscais do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), em operações realizadas nos últimos 18 meses em Altamira e Uruará, no sudoeste do Estado, sejam beneficiadas e doadas.A madeira irá para projetos socioambientais em prol de comunidades indígenas, projetos de inclusão social de comunidades não indígenas das regiões da Transamazônica e do Xingu e também para órgãos públicos que lá atuam.Todo esse mogno, avaliado em mais de R$ 25 milhões, foi retirado de reservas indígenas e florestas nacionais localizadas entre os rios Iriri, Curuá e Xingu. O Ibama é quem ficará responsável pela doação do mogno. O órgão informará à Justiça a quem a doação será feita, qual será a data da entrega e a quantidade de madeira enviada.

Agencia Estado,

20 de abril de 2003 | 23h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.