Montadora mostra bons resultados com biodiesel etílico

A utilização do biodiesel etílico como combustível no País permitiria uma redução sensível nas emissões de gases poluentes no ar, como gás carbônico (CO2), e permitiria uma ampliação da matriz energética brasileira.Essas foram as principais conclusões apresentadas hoje pela direção do grupo PSA Peugeot Citroën e pelo Laboratório de Desenvolvimento de Tecnologias Limpas (Ladetel) da USP a partir dos resultados de um programa de testes de rodagem pelo Brasil de dois carros da montadora movidos com o biodiesel.O combustível testado foi desenvolvido pelo Ladetel a partir da transformação química do óleo de soja. É também chamado de B-30 porque é constituído de uma proporção de 30% de biodiesel e 70% de diesel metropolitano.Os testes se iniciaram em setembro do ano passado e os veículos já rodaram até hoje cerca de 100 mil km, mas a meta é atingir 160 mil km, quando serão feitas novas análises de desempenho.O primeiro diagnóstico divulgado hoje considerou avaliações de performance dos veículos quanto ao desempenho (torque e potência), durabilidade e consumo e também o nível de emissões do combustível e usados motores de última tecnologia - HDI (90cv).De acordo com o chefe de Departamento de Combustíveis e Química dos sistemas do Grupo PSA Peugeot Citroën, Gérard Belot, ao se comparar o desempenho dos carros movidos a biodiesel B-30 e outros movidos a gasolina observou-se um desempenho similar, um consumo de combustível maior em cerca de 1% nos carros a biodiesel e uma redução média de 16% nas emissões de fumaça e gases poluentes."O benefício ambiental é muito visível", afirmou o coordenador nacional do projeto Biodiesel Brasil da USP e do Ladetel, Miguel Dabdoub. Ele disse que o biodiesel etílico poderá ter um custo mais alto que o diesel comum, mas para medir essa diferença é preciso considerar a matéria-prima. Segundo Dabdoub, existe dentro do governo uma discussão entre técnicos dos Ministérios responsáveis sobre como seria a melhor forma de equacionar esse custo."Na minha opinião, no entanto, isso é perfeitamente plausível considerando os benefícios ambientais indiscutíveis desse combustível", afirmou. Marco regulatórioPara o professor da USP, o fundamental, no entanto, é a fixação de um marco regulatório transparente e o mais rápido possível para nortear os investimentos num programa de biodiesel.O Ministério de Minas e Energia já anunciou a possibilidade de ser anunciado em novembro essa legislação para o programa que deverá conter a opção de que seja misturado o biodiesel ao diesel num porcentual de 2%. "Existem hoje no País algumas iniciativas de desenvolvimento do biodiesel, mas somente com uma legislação será possível avançar além delas", destacou o especialista da USP.Ele informou ainda que o Ladetel pretende desenvolver pesquisas e testes similares com biodiesel produzidos a partir de outras plantas oleaginosas, além da soja, como a mamona e o babaçu. Para ele, o Brasil deve explorar o potencial de sua "rica natureza" e explorar, com isso, novos mercados externos consumidores."É grande hoje, no mundo, a preocupação com a qualidade ambiental e o Brasil tem tradição em buscar fontes de energia alternativas", ressaltou.

Agencia Estado,

01 de setembro de 2004 | 14h18

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.