Moradores de reservas poderão criar animais

Os moradores das Reservas Extrativistas (Resex) Tapajós-Arapiuns, no Pará, e Cazumbá-Iracema, no Acre, serão os primeiros a criar animais silvestres neste tipo de unidade de conservação. O projeto-piloto do Ibama tem o objetivo de aumentar a oferta de proteína para os habitantes das reservas e permitir a geração de renda com a venda do excedente de animais.As espécies utilizadas inicialmente serão a capivara e a queixada, que serão criadas em regime semi-intensivo (animais soltos em grandes áreas fechadas). Um dos maiores problemas das populações tradicionais que habitam unidades de conservação no Brasil são as restrições a caça, que representa, em média, 53% da dieta alimentar.A implantação dos criadouros será feita pelo Centro Nacional de Populações Tradicionais (CNPT/Ibama) e ajustada às legislações ambientais e dos criadouros comerciais. ?A criação de animais silvestres para a população das reservas representa uma importante alternativa alimentar e condição para que a fauna da região se recupere. Isso porque, mesmo a caça com finalidade exclusiva de subsistência - tolerada pela lei - pode comprometer o futuro das espécies nativas?, diz Atanagildo de Deus Matos, chefe do CNPT.No Brasil, existem 24 Reservas Extrativistas, que somam quase 5 milhões de hectares de áreas protegidas, beneficiando 50 mil pessoas, que vivem da exploração sustentável dos recursos naturais.

Agencia Estado,

21 de agosto de 2002 | 11h37

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.