Moradores denunciam poluição de rio no Vale do Paraíba

A fábrica Presidente Vargas, da Imbel, Indústria de Material Bélico, instalada na cidade de Piquete, no Vale do Paraíba, está sendo acusada pelos moradores da cidade de estar contaminando o Rio Piquete, que corta a cidade e é um dos afluentes do Paraíba do Sul.A suposta contaminação foi denunciada na manhã de domingo por moradores de bairros próximos ao Rio Piquete. Eles ligaram para a Polícia Ambiental de Lorena e para a Cetesb, dizendo que a água do rio estava vermelha.O vendedor Dione Pereira afirmou que viu peixes mortos nas margens do rio. Já o pecuarista Arthur de Almeida colheu amostras da água e disse que esta não foi a primeira vez que isso acontece: "Aqui sempre tem problemas assim". As amostras comprovam que a coloração da água estava alterada. Técnicos da Cetesb foram até o local na manhã de hoje, na tentativa de recolher o material e encontrar peixes mortos, mas nada foi localizado.Segundo a assessoria de imprensa da Cetesb, a denúncia não pôde ser comprovada, já que a água apresentava coloração e densidade normal e não havia peixes mortos. O superintendente da fábrica, coronel Wagner Pinheiro Carine, informou que os técnicos fizeram uma fiscalização detalhada na fábrica e não constataram nenhum problema: "Todos os líquidos produzidos aqui passam pela Estação de Tratamento de Efluentes". Carine enfatizou a responsabilidade da Imbel com o meio ambiente, informando que a fábrica é vistoriada com freqüência por órgãos como Cetesb e Ibama. "Aqui o ar é quase 100% limpo", afirmou o superintendente. A fábrica de Piquete é uma das cinco unidades da Imbel e está instalada na cidade há 93 anos, produzindo atualmente pólvora e explosivos.

Agencia Estado,

15 de abril de 2002 | 20h30

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.